Tosse de cachorro?

Tosses caninas
Irritações na traqueia canina causam uma tosse seca, alta, que lembra um barulho de gansos e que normalmente acontece em série. Após os episódios de tosse o cão pode vomitar um material branco parecido com espuma e que nada mais é do que saliva. Os fatores causadores podem ser vários e acontecer combinados: a inalação de produtos químicos ou de alergênicos, doença cardíaca que aumenta o tamanho do coração a ponto dele comprimir a traqueia, infecções bacterianas (como a “tosse dos canis”), bronquite alérgica, obesidade, colapso de traqueia etc. Cães com traqueias irritadas tendem a tossir quando estão agitados ou quando têm suas gargantas pressionadas (coleiras, batidas, toque etc.). Qualquer fator que estimule a traqueia, como a entrada rápida de ar, ou pressão física externa, pode iniciar a tosse.

Colapso
A doença popularizada como “gripe canina”, ou “tosse dos canis”, geralmente é oportunista, breve e raramente leva a complicações mais sérias em animais bem cuidados. Já o colapso de traqueia é uma síndrome mais comum, ainda assim, na maioria dos casos, manter o cão com o peso ideal e monitorar atividade física, agitação e exposição ao calor é suficiente para ajudar o animal a lidar com o problema. Cães das raças Yorkshire Terrier, Poodle, Pug, Buldogue (todos) e outros de focinho achatado ou encurtado, costumam ser os mais afetados, principalmente por serem todos vítimas de deformações causadas pelos humanos na criação de suas raças e na diminuição de seus focinhos ou de seu porte (tamanho).


Diagnóstico
Um diagnóstico definitivo só é possível com exames de imagem (raio-x ou endoscopia). Mas o raio-x pode não mostrar o problema caso a colapso da traqueia não esteja ocorrendo. Alguns veterinários diagnosticam baseados na apalpação e no histórico de saúde do cão.

Prevenção
Evitar traumas e pressões na garganta/traqueia. Usar coleiras de pescoço apenas para pendurar medalhas de identificação. Para prender guias, prefira usar coleiras de peito, ou de cabeça (em minha opinião, as melhores). Treinar o cão para saber andar na guia sem puxar ajuda muito. Manter o peso saudável, pois sobrepeso e obesidade complicam e aumentam as crises. Fazer checkups regulares para identificar outros males que agravam o colapso e e que comprometem a respiração, como algumas doenças cardíacas e bronquites. Resumindo, o importante é não promover pressão na garganta do cão, mesmo os que ainda não tenham a síndrome.

Verão perigoso Os cães regulam a temperatura corporal por meio da respiração ofegante. Por isso os animais com focinhos achatados ou encurtados (braquicéfalos) sofrem tanto com as altas temperaturas e podem até morrer quando expostos ao calor intenso. Dias quentes e úmidos são potencialmente perigosos para todos os animais. As atividades físicas e a exposição ao calor devem ser controladas, especialmente para os cães que sofrem de colapso de traqueia, ou para os braquicéfalos. Como no verão geralmente passeamos mais com os cães na rua, aumentam as chances da garganta ser pressionada pela coleira.

Mãe de Cachorro - Ana Corina
Fonte: http://ndonline.com.br/florianopolis/colunas/mae-de-cachorro/225056-colapso-de-traqueia-um-mal-que-pode-ser-minimizado-nos-caes.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário