Número de cães e gatos abandonados cresce no verão

A caixa foi avistada quando Bruna Bitencourte Vivian estava a caminho de casa, na noite da última segunda-feira. A estudante parou o carro e, antes mesmo de ouvir os miados, estava certa do que encontraria ao vencer as camadas de fita adesiva que vedavam o recipiente de papelão.

Depósitos de animais rejeitados pelos donos, as praças do bairro Intercap, na zona leste de Porto Alegre, recebem, segundo Bruna, novos refugos toda semana. No verão, com a movimentação dos moradores das cidades rumo ao Litoral e outros destinos de férias, o número de cães e gatos descartados aumenta muito — tem gente que sai para passear e resolve largar o bicho de estimação na porta de alguém ou até na estrada em vez de providenciar acomodação adequada para o período de ausência. Bruna decidiu acolher os quatro gatinhos com idade estimada em um a três meses.

— Vi os filhotinhos indefesos, tive que pegar. Sei que é muito difícil doar, mas não consegui pensar em não pegá-los — relata.


Ativistas envolvidos com a causa animal, organizações não governamentais (ONG) e pet shops também constatam a crueldade crescente entre dezembro e março. Contribui para a piora da situação dos animais de rua outro fator típico da época: as pessoas estão mais envolvidas com suas programações de descanso, e a preocupação e a mobilização com outros assuntos naturalmente caem.

Diretora de marketing da ONG Bicho de Rua, Marcia Simch percebe a redução do número de anúncios para adoção no site.

— Abandonar nunca é uma opção, é crime. Opção é deixar meu animal na casa da minha irmã, ou num hotel, ou no meu veterinário de confiança, ou pedir para uma pessoa ir na minha casa cuidar. Isso são opções. O restante é crime. As pessoas dizem que bicho se vira, mas não é assim. Nós domesticamos esses animais, eles se tornaram dependentes. Sentem falta tanto da parte física do cuidado, da alimentação, da água, do lazer, do descanso, como da parte sentimental, subjetiva — revolta-se Marcia.

Dos quatro filhotes encontrados por Bruna, dois já foram adotados, mas ainda há outros dois que esperam um lar. Eles estão disponíveis para adoção no site Bicho de Rua.

Presentes de Natal largados na praia

Rejane Velho Ferreira, presidente da Associação Duas Mãos Quatro Patas, alerta para o fenômeno do desamparo também nas praias. Ela identifica uma situação bastante comum: pessoas que são presenteadas com cães ou gatos no Natal e, logo em seguida, os levam junto na viagem ao Litoral. Passado o veraneio e já conhecendo melhor o comportamento do pet, decidem deixá-los por lá, imaginando que a nova aquisição não se adaptará à rotina e ao espaço da família na cidade.

— E sempre há os motivos mais variados: nascimento de nenê, gravidez, doença na família, separação — lamenta Rejane.

Contrariando a expectativa de que dar um destino aos filhotes seria uma tarefa difícil, Bruna conseguiu doar dois dos gatinhos um dia depois do resgate, graças a um post no Facebook. Levou-os até a residência da pessoa interessada, no Morro da Cruz, e ficou feliz ao saber que se tratava de uma senhora que gosta muito de felinos. Agora restam dois em busca de um lar — e um grande problema.

— Vou viajar amanhã (hoje) para a praia e não tenho como levá-los — angustia-se a estudante.

Maus-tratos e abandono de animais são crimes previstos em leis federal e municipal.

Como denunciar maus-tratos de cães - Porto Alegre
Para denunciar na Capital, ligue para 156 (Fala Porto Alegre), (51) 3264-6078 (Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente) ou (51) 3326-1165 (Batalhão Ambiental da BM).

Do Zero Hora
Fonte: http://www.euamocaes.com/2015/01/numero-de-caes-e-gatos-abandonados.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário