Carrapato, um perigo para a saúde de seu animal e de sua família

Carrapat​os- Doenças Transmitidas, combate e prevenção.

Os carrapatos podem transmitir doenças e até colocar a vida do seu animal em risco. Em geral, essas infecções são de difícil diagnóstico e exigem tratamento prolongado. Há ainda a possibilidade de pessoas serem infectadas.

As principais doenças transmitidas por carrapatos são a febre maculosa, a erliquiose e a babesiose.
Essas doenças, cada vez com índices maiores de infestação no País, podem debilitar seu cachorro, causando anemia grave, dificuldade de locomoção, febre, perda do apetite, sangramento e prostração.

Febre maculosa
A febre maculosa ou febre do carrapato é uma doença infecciosa causada por uma bactéria transmitida por um carrapato chamado de "carrapato estrela" ou "carrapato de cavalo". Geralmente quando está na fase de larva, esse carrapato é chamado de "carrapatinho" ou "micuim", e há também a fase de ninfa, quando as pessoas o chamam de "vermelhinho". Mas, na verdade, todos esses nomes se referem a uma mesma espécie de carrapato, ou seja, o carrapato-estrela, que transmite a febre maculosa.

O carrapato se contamina quando pica capivaras ou outro hospedeiro natural infectado, e assim são capazes de transmitir a febre maculosa ao picar os cachorros e as pessoas.
Quando o carrapato, que está fixado no animal ou na pessoa, vai se alimentar, ele suga o sangue e transmite a doença através da saliva, onde está a bactéria. Em geral, o carrapato precisa permanecer fixado na pele por pelo menos 4 a 6 horas para transmitir a febre maculosa.



Os cachorros infectados com a bactéria causadora da febre maculosa são em geral resistentes a essa doença e raramente apresentam sintomas. Quando o fazem, não passa de uma ligeira febre e fraqueza passageira.

O que é muito importante esclarecer é que os cães não transmitem a febre maculosa, mas são eles que servem como um veículo, ou seja, como um meio de transporte para os carrapatos infectados chegarem até as pessoas.

O grande vilão da febre maculosa é o carrapato.



Erliquiose
A erliquiose canina é uma doença transmitida por carrapatos aos cachorros, mas existem relatos de gatos e seres humanos infectados por diferentes espécies de Ehrlichia sp (bactéria que vive obrigatoriamente dentro das células causando um tipo de infecção crônica). o Rhipicephalus sanguineus (carrapato vermelho dos cachorros) é o principal responsável pela transmissão do agente.

A Erliquiose pode ter três fases:

1. Fase aguda: onde o animal doente pode transmitir a doença e ainda é possível que se encontre carrapatos.
Febre, falta de apetite, perda de peso e uma certa tristeza podem surgir entre uma e três semanas após a infecção. O cão pode apresentar também sangramento nasal, urinário, vômitos, manchas avermelhadas na pele e dificuldades respiratórias.

2. Fase subclínica: pode durar de 6 a 10 semanas (sendo que alguns animais podem nela permanecer por um período maior)
O cachorro não mostra nenhum sintoma clínico, apenas alterações nos exames de sangue. Somente em alguns casos o cão pode apresentar sintomas como inchaço nas patas, perda de apetite, mucosas pálidas, sangramentos, cegueira, etc.

3. Fase crônica:
Os sintomas são percebidos mais facilmente como perda de peso, abdômen sensível e dolorido, aumento do baço, do fígado e dos linfonodos, depressão, pequenas hemorragias, edemas nos membros e maior facilidade em adquirir outras infecções. (saiba mais aqui)

Segundo a Pet Care, os cães com Erliquiose além dos sintomas mais conhecidos como:
-febre
-prostração
-perda de apetite
-hemorragias sangramentos (nasal e cutâneo) por deficiência de plaquetas
-anemia grave
-podem apresentam também também convulsões focais na fase crônica ou assintomática da doença, ou seja depois que o animal parece “normal”.

As convulsões focais em cães são diferentes das convulsões generalizadas. Essas ocorrem somente em um ou mais grupos musculares sem perda de consciência e sem generalizar. Podemos identificar isso como um “tique” estranho no rosto, no lábio, canto dos olhos ou um mexer incontrolável em uma perna. O cão permanece consciente durante todo este episódio e provavelmente irá reclamar ou parecer assustado com isso.

Essas convulsões focais ocorrem por uma inflamação (vasculite) dos vasos (veias e artérias) que ocorrem no corpo todo e no sistema nervoso central (cérebro). Essa mesma vasculite em outras partes do corpo pode causar artrite (inflamação das articulações), uveíte (inflamação dos olhos), glomerulonefrite (inflamação dos rins) entre outras.

Dependendo das áreas afetadas, os sintomas podem variar de animal para animal. Esses sintomas se assemelham da Febre Maculosa, Doença de Lyme, Babesiose ou mesmo da Cinomose. É de vital importância saber o diagnóstico para instituir o tratamento adequado.(continue a ler este artigo,aqui)

Não existe vacina para prevenção da erliquiose que, devido à sua gravidade, deve ser prevenida por meio do controle rigoroso da infestação por carrapatos.

Babesiose
A babesiose canina é uma doença grave causada por um protozoário (Babesia canis) capaz de causar infecção dos glóbulos vermelhos e anemia grave. Essa doença pode ser transmitida aos cachorros por várias espécies de carrapatos, entre os quais o Rhipicephalus sanguineus (carrapato vermelho dos cachorros) é o principal responsável pela transmissão do agente.
Os cachorros doentes podem apresentar:
-prostração
-tristeza
-emagrecimento progressivo
-mucosa amarela
-urina  escura amarronzada
-esplenomegalia (aumento do baço)
O diagnóstico da doença é feito pelo médico veterinário, que pode tratar os animais com medicamentos específicos.

Não existe vacina contra a babesiose canina.

No mercado existem diversos produtos como, spray, coleiras, shampoos,  para combater o carrapato, estes produtos apesar de cada dia estarem mais seguros, podem causar reações adversas em alguns animais, e em alguns casos levar a óbito.  Converse com o seu veterinário e lembre-se de ler  as recomendações de aplicação na embalagem, que devem ser seguidas a risca.
No site http://www.reclameaqui.com.br/, você pode digitar o nome do produto para saber o grau de satisfação dos consumidores.

Conheça algumas dicas naturais de prevenção e combate ao Carrapato



Manter o ambiente sempre limpo é muito importante, no caso de infestações uma varredura com Vassoura de Fogo (vídeo) é recomendado e o óleo de Neem como prevenção e combate , saiba por que, aqui (Vídeo).
Assista ao Vídeo explicativo de como remover corretamente o Carrapato

Fonte: http://dicaspeludas.blogspot.com.br/2014/08/carrapato-um-perigo-para-saude-de-seu.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário