Animais Deuses

As religiões ancestrais visualizavam o universo como uma grande mãe. As grandes deusas representavam a Terra Mãe ou o princípio gerador da vida. A capacidade de conceber uma nova vida humana, dar à luz, produzir leite e nutrir a vida. Sem ela a nova vida extinguir-se-ia.

Na Babilônia a grande deusa é Ishtar, a mãe de Tamuz. Astarte é adorada pelos hebreus, fenícios e cananeus, de acordo com a liturgia. No Egito temos Isis. Na Frígia temos Cibele, posteriormente identificada com as deusas Rea, Gea, Deméter, e com suas equivalentes romanas, Tellus, Ceres e Maia.

O culto à Grande Deusa é muito anterior à escrita e encontramos pinturas rupestres que mostram bisões, cavalos, ursos, veados e dezenas de outros animais. São centrais nos rituais de caça expressando agradecimento aos animais sagrados que constituem poderosa fonte de vida, a própria energia vital de quem o ingere. Nesse estágio eram freqüentes também representações da Grande Deusa como Senhora dos animais ( com seus animais sagrados), como Deusa mãe  coruja, ou como Madona com seu filho ao colo.

Acreditava-se que a mulher engravidava do sangue da menstruação. Por isto sempre se ofereciam sacrifícios de sangue à mãe Terra para pedir abundância de alimentos. Até que milhões de anos depois se trocou o sacrifício de sangue pelo auto sacrifício ( a culpa).

Na Grécia arcaica, a imagem da Grande Mãe animal alimentava o pequeno Zeus como cobra, porca ou vaca. Réia – Cibele, para os romanos, é representada assentada num trono e ladeada de animais.

O xamanismo

Xamanismo é um nome genérico de origem siberiana para designar as práticas dos curadores e feiticeiros das culturas arcaicas . O xamanismo é um fenômeno cultural, social e espiritual.. As mais antigas manifestações xamânicas datam da era paleolítica ( os rituais de caça nas pinturas). Ele sobrevive quase sem alterações na Ásia, Oceania, no Ártico ( esquimós) e principalmente na África e nas Américas.

A ilusão do Abrigo

Inúmeras vezes ouvimos de pessoas que acabaram de recolher um animal da rua dizer: "Ah! Se eu tivesse dinheiro para montar um abrigo!". Fica bem claro, com este sonho, que elas nunca visitaram um, para saber a realidade.

Um abrigo começa sempre com as melhores intenções. Se quem o abre tem uma certa dose de "pé no chão", imagina um número limite de animais a serem abrigados. Mas o objetivo nunca é atingido. Seja porque se condói dos animais abandonados que encontra; ou dos casos tristes que donos contam para deixar a responsabilidade na mão do outros; ou ainda, daqueles que abandonam na porta, ou jogam animais lá dentro.

Em pouco tempo o limite anteriormente fixado é expandido. E quem pensava ter 50 animais se vê com 100, 200 para alimentar, vacinar, manter limpos, higienizar as instalações, etc. Já ouvi histórias de fortunas perdidas em sonhos de abrigo. Recentemente a de uma senhora que estava sendo obrigada a sacrificar os animais mais idosos e doentes por não poder mantê-los, mesmo em precaríssimas condições. Depois de seu patrimônio ter se acabado, passado pela fase de pedir ajuda aos amigos, depois parentes, depois aos desconhecidos, por fim a veterinários e à Proteção Animal para sacrificar os animais aos quais ela sonhou dar uma vida melhor ou salvar da morte nas ruas.

Abrigo não é solução, é problema gerado pelo descaso social. Do lado oposto de quem sonha montar um, existe a crença das pessoas em geral de que basta pegar um animal na rua e metê-lo num abrigo para resolver o problema. Quantas vezes ouvimos "leva pra Sociedade Protetora dos Animais..." Se visitassem algum abrigo dos muitos existentes por aí, veriam a triste realidade: Dezenas, até centenas de animais se digladiando por comida, muitos doentes, e até casos de canibalismo gerados pela fome. Mas ninguém pensa em como a "Sociedade Protetora" vai conseguir recursos.

Nebuloso universo

Nebuloso universo (pequeno mundo) dos Animais - ausência do Estado, empoderamento da sociedade. Abalo no “eixo”. Uma trama de identidades plurais e inconclusas...

Não somos livres para escolher a identidade que melhor nos convier!

 “... as instituições e as coletividades operam na legitimação institucional, cultural e história de certas identidades sociais enquanto outras se tornam ilegítimas, destruídas encarceradas e patologizadas” (Moita Lopes, 2003:21)

É bem verdade que estamos perdendo a noção do risco presente na sociedade, e o sentido mínimo de confiança nas tradicionais instâncias protetoras e normativas como: Estado, Educação, Saúde, Governo e Família. Abandonados às próprias escolhas e a autogestão da vida, desencadeamos a ideia de insegurança e angústia.

As mulheres são as vítimas mais suscetíveis! Interessante, não? O trabalho técnico no link demonstra algumas situações em que estamos envolvidas, e em grande maioria não damos conta de reconhecer. “Freud em 1918 já afirmara que "a neurose obsessiva se desenvolve com base numa constituição anal sádica". Em outro momento argumenta que "o pensamento obsessivo compulsivo é aquele cuja função está em representar um ato regressivamente" (1909).”

Os animais no plano espiritual

Desde que me conheço por espírita nesse mundo, sempre estudei que na erraticidade existem espíritos de animais em contato com os espíritos errantes, formando o mesmo vínculo existente aqui, no plano físico. Ocorre que, nos estudos realizados em um grupo mediúnico na casa espírita que frequento, me deparei com uma informação surpreendente publicada em O Livro dos Médiuns, no capítulo que trata a respeito das evocações. Neste capítulo, Allan Kardec faz uma pergunta aos Espíritos a respeito da evocação de animais, e a resposta dada pelo Espírito chama-nos à atenção sobre a existência de animais na erraticidade.

O LIVRO DOS MÉDIUNS, CAP. XXV, ITEM 283, PERG. 36
36. Podemos evocar o espírito de um animal?

R – Depois da morte do animal, o princípio inteligente que havia nele, fica em estado latente; este princípio é imediatamente utilizado por certos espíritos encarregados deste cuidado para animar de novo seres nos quais continua a obra de sua elaboração. Assim, no mundo dos Espíritos, não há espíritos de animais errantes, mas somente Espíritos humanos. Isto responde à sua pergunta.

36ª. Como é então que algumas pessoas, tendo evocado animais, obtiveram resposta?

R – Evoquem um rochedo e ele lhes responderá. Há sempre uma multidão de Espíritos prontos a tomar a palavra para tudo.

Rancho dos Gnomos - Gente que faz!

Conheça esta iniciativa e veja que é possível fazer um bom trabalho pelos animais quando se faz com Amor!

A Associação Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos (ASERG) é uma associação civil sem fins lucrativos, atuando desde 1991 em Cotia-SP e formalmente constituída como uma Organização Não-Governamental no ano de 2000. Prima pelo bem-estar da fauna silvestre, exótica, nativa, doméstica e domesticada por meio de sua preservação, conservação, recuperação e propagação da educação ambiental para a consecução e alcance de um ambiente sadio e equilibrado, nos termos do Artigo 225 de nossa Constituição Federal.

Os trabalhos realizados pelo Rancho dos Gnomos são de suma importância e de extrema necessidade, tendo em vista o auxílio ao Poder Público e respectivos órgãos ambientais 24 horas por dia, sendo recebidos animais apreendidos de tráfico, circos, vítimas de maus-tratos, etc. (só no ano de 2002, foram recebidos 2500 animais encaminhados pela Polícia Ambiental e Ibama, representando 12% do total de apreensões realizadas no Estado de São Paulo, e cerca de 2400 animais no ano de 2003, representando 13% do total de apreensões realizadas no Estado de São Paulo).

Um trabalho cuidadoso de recuperação desses animais é realizado com uma equipe especializada de biólogo, veterinários e diversas outras pessoas. Em cada caso, estuda-se a possibilidade de devolução dos animais à natureza. Caso não seja possível e a necessidade de abrigá-los nas próprias instalações do Santuário seja constatada, cada animal em tal situação receberá cuidados e tratamentos específicos por toda sua vida. Concomitantemente, realiza-se um trabalho importante de educação ambiental para crianças e jovens de toda a rede de ensino do país.

Atualmente, o Rancho dos Gnomos abriga cerca de 320 animais (sendo 12 leões, 1 tigre-de-bengala, 1 onça-parda, macacos, veados-catingueiros, gatos-do-mato, jaguatiricas, bichos-preguiça, lontras, emas, mutuns, araras, papagaios, jabutis, eqüino, suínos, roedores, cães, gatos e diversos outros animais).

http://www.ranchodosgnomos.org.br/


Cães fujões - A solução muito além do muro alto!

Como impedir o meu cachorro de pular a cerca e fugir?
Cães saltam cercas, por muitas razões diferentes, tais como:

- Ele vê um animal ou qualquer outra coisa que ele se sente compelido a perseguir.
- O cão vê uma pessoa amiga ou um cão que quer estar junto.
- Talvez o seu cão esteja entediado e procurando algo para fazer.
- Alguns cães podem sofrer de ansiedade de separação.
- Um cão pode achar que é assustador ser deixado sozinho em um quintal.
- Os cães também podem procurar por companheiros, por isso é importante conversar com seu veterinário sobre a castração.
-As vezes, os cães podem ouvir coisas do outro lado do muro e pular para investigar.


Saber o por que um cão está pulando uma cerca é o primeiro passo para abordar a questão.

El hombre


Ouçam a nossa voz

Em 1182, na Itália, nascia um menino, herdeiro de fortuna. Mais tarde, já homem, abdicou de sua riqueza e abraçou a pobreza. Mas não a pobreza de espírito. Gozasse de sua herança, seria apenas mais um nome perdido na História. Porém, oito séculos depois, ele foi escolhido a personalidade do milênio. E no mundo inteiro, hoje, no 4 de outubro, é comemorado o seu dia.

Francisco de Assis tinha, além do despojamento, a notável capacidade de atentar para o muitas vezes ignorado e captar as mensagens daqueles que ele chamava de irmãos. Irmãos de todas as espécies: a dos irmãos iguais e as dos irmãos diferentes. E os irmãos diferentes de Francisco, são igualmente homenageados com ele nesta data.

Francisco de Assis abriu uma picada a golpes de amor que nós, os protetores de animais - tantas vezes menosprezados - insistimos nela prosseguir. É que o dom da empatia, a capacidade de se colocar no lugar do outro, de traduzir intimamente as sensações de quem nos é diverso, é um privilégio e um fardo. Poucos recebem esse dom e, em número menor ainda, os que aceitam assumi-lo, porque ele tem a leveza do elefante.

Durante séculos seguimos a picada aberta por Francisco à velocidade do jabuti. Em anos mais recentes atingimos algumas clareiras onde repousar por breves instantes. Mas tão logo recobramos fôlego e energia, vozes – inaudíveis para a maioria – alcançam nossos ouvidos e nos intimam a continuar. Elas miam por respeito, elas chilreiam por liberdade, elas mugem de pavor, ganem de dor. São vozes demais dos abatedouros pra fazermos ressoar nas cidades; milhares de mensagens, as quais temos que divulgar, censuradas por focinheiras nos laboratórios. São saudades inúmeras da selva que devemos fazer ecoar para além das jaulas; é o relincho debilitado, que nos cabe amplificar, dos que transportam carga acima das próprias forças e debaixo do chicote.

O Espírito dos Animais Domésticos

A ligação entre um animal de estimação e sua / seu cuidador é frequentemente forte e profundo. Animais ressoam conosco de uma forma profunda o que poucos humanos conseguem. Isto é devido ao fato de que os animais não têm um ego. Eles não têm "coisas" no caminho do seu amor e sua ligação com o Divino. Eles amam incondicionalmente .. e estão constantemente fazendo serviços para nós, de formas que muitas vezes não reconhecemos. Podemos alimentá-los, prepará-los, levá-los ao veterinário para vacinas, e em troca eles acalmam nossas almas de uma forma sutil, mas perceptível.

Quanto mais estamos abertos aos dons espirituais que nossos animais de estimação trazem para nós, mais eles podem compartilhar seus dons. Os animais são uma grande bênção para as pessoas que fazem trabalhos de cura. Curadores amam os seus talentos e a alegria que esses talentos trazem para os outros, mas eles muitas vezes se sentem drenados por uma falta de energia recíproca. Eles se doam muito e não receberem tanto de volta. Animais, pela sua natureza, transmutam a energia desarmônica de stress. Eles são como faxineiros espirituais que entram em nossa consciência e enxugam as gotas do tumulto emocional derramado que o dia deixa para trás. A comunidade científica valida este conceito. Estudos têm sido feitos que mostram que pessoas com um animal de estimação se recuperam mais rapidamente de uma operação, ou que os donos idosos de animais vivem vidas mais longas e saudáveis do que os que não os possuem.

A consciência do ser humano é espelhada pela consciência do animal. Quando estamos prestes a dar um salto na consciência, um animal pode entrar em nossa vida para representar essa mudança e para ajudar nessa transição. Se já temos animais de estimação e estamos passando por uma transição, por vezes, o animal pode ter um problema de saúde, pode fugir ou até mesmo morrer.

Seria o cão o melhor amigo do homem mesmo?

Mesmo se você for estritamente um amante do gato, é quase impossível não se comover com a marca de lealdade exclusiva dos cães. Os budistas acreditam que no dia em que Buda morreu, ele convocou todos os animais para irem ao seu encontro. Mas apenas membros de 12 espécies – dentre elas, cães - o alcançaram antes de sua morte. Aqueles que vieram foram recompensados com um ano próprio no horóscopo chinês.

Embora nem todos os cães sejam amigáveis por natureza, sempre escutamos histórias de cães que se separaram de sua família e realizam incríveis jornadas para reencontrá-la. Além disso, cães são usados ​​em terapias para o tratamento do Alzheimer e em clínicas como conforto para doentes terminais. E considere o seguinte: No ano de 2008, em apenas 12 dias cinco famílias diferentes nos Estados Unidos e Canadá foram salvas por seus cães quando suas casas pegaram fogo. Tudo isso comprova o velho ditado que o cão é o melhor amigo do homem - e da mulher.
Uma raça de cão é especialmente valorizada pela sua lealdade feroz, o Akita. Este é um cão peludo que lembra seus ancestrais, os lobos, com orelhas pontudas, face um pouco amassada, e uma cauda que se enrola em um loop por cima do seu corpo. Ele vem da região de Akita, no Japão, uma cidade no norte da ilha. Originalmente todo com pelagem clara, o Akita foi mencionado pela primeira vez na literatura japonesa por volta do ano 712 antes de Cristo, e é descrito em cerâmicas muito mais antigas escavadas no país.

Hachiko e Eisaburo

O  famoso Akita amarelo chamado Hachiko nasceu em novembro de 1923 na província que é o homónimo da sua raça. Poucos meses depois de seu nascimento, o pequeno "Hachi" (como ele foi apelidado) foi trazido para a casa do Professor Eisaburo Uyeno, em Tóquio. Os dois se tornaram amigos. Uyeno lecionava na Universidade Imperial, e Hachiko desenvolveu o hábito de acompanhar seu dono até a estação de trem todas as manhãs. À noite, Hachiko voltava à estação para encontrar com Uyeno. Quando descia do trem, o homem sempre encontrava seu cão esperando sua chegada, com o rabo abanando feliz ao ver seu dono e amigo. Hachiko

A marcante presença dos animais na Bíblia

Como é dito no Gênesis, no princípio, Deus criou o céu e a terra. No quinto dia, Deus disse: - "pululem as águas de uma multidão de seres vivos, e voem aves sobre a terra, debaixo do firmamento dos céus." Deus criou os monstros marinhos e toda a multidão de seres vivos que enchem as águas, segundo a sua espécie, e todas as aves segundo a sua espécie, e Deus mandou que reproduzissem e enchessem as águas e a terra de seres vivos, então a tarde caiu e o quinto dia se fez.

No sexto dia, Deus disse: "Produza a terra seres vivos segundo a sua espécie: animais domésticos, répteis e animais selvagens, segundo a sua espécie.

Para o pesquisador norte-americano Kenneth Ham, autor dos livros “Dinossauros e a Bíblia” e “Um Novo Olhar Sobre os Dinossauros”, o fato de a ciência afirmar que os répteis gigantes eram vegetarianos os encaixa perfeitamente na criação original do Éden, onde não havia comedores de carne. Ham defende que os dinossauros fizeram parte dos animais criados por Deus no sexto dia e lembra que naquele tempo não havia morte, pois “era um mundo sem danos, com Adão, Eva e os animais, incluindo os dinossauros, vivendo em perfeita harmonia, comendo apenas folhas”. Para o autor criacionista, a queda do Homem, e não a de Satanás, foi a responsável pela quebra da harmonia, transformando os dinossauros em animais ferozes e hostis à humanidade.

Entre os citados monstros na Bíblia, encontramos o “Leviatã” descrito no livro de Jó, 3:8. A descrição revela que era coberto por uma couraça impenetrável (41.7,15,29).Não pode ser facilmente tirado da água, é gigantesco (v.1).O fogo em forma de línguas em chamas saem de sua boca (v.20,21) e faz a água das profundezas ferver (v.31). Ainda sobre tal besta, algumas traduções bíblicas querem associar tal descrição a animais conhecidos como hipopótamos ou crocodilos. Mas comumente encontramos, também, outros animais, como leões, cordeiros, águias, corvos, gafanhotos e repteis como a cobra, este último muito famoso, pois, é o autor de toda a desgraça da humanidade por ter sido o animal escolhido por Satanás para enganar a ingênua Eva.

Cachorros sentem ciúmes e podem desenvolver problemas psicológicos

Confira os resultados da pesquisa norte-americana que mostra que, assim como os humanos, os cachorros sentem ciúmes

Quem tem um pet canino em casa já sabe que estes animais podem expressar ao mais diferentes estados e expressões. No entanto, ainda assim, muitos duvidam da capacidade de sentimentos destes pets; e uma pesquisa norte-americana acaba de provar este grupo de descrentes errado - já que, de acordo com seus resultados, os cachorros sentem ciúmes da mesma forma que os seres humanos.

Além de confirmar que os cachorros sentem ciúmes, o estudo realizado pela Universidade da Califórnia também provou que, justamente em função desta capacidade de sentir ciúmes, alguns cães podem acabar desenvolvendo uma depressão profunda em situações que envolvem a chegada de bebês ou outros animais de estimação na casa em que habita, por exemplo.

Contando com um grupo de 36 cachorros com seus respectivos donos, a pesquisa envolveu alguns testes específicos para determinar se havia o sentimento de ciúme do animal. Em um primeiro momento, os donos dos pets recebiam um cão de mentira, uma abóbora e um livro para crianças que toca músicas enquanto suas páginas são viradas – devendo interagir com tais elementos e tratá-los como se fosse cães de verdade, direcionando carinho a eles.

Enquanto os donos voltavam a sua atenção para os objetos, foi observado o comportamento dos seus pets; que tentaram chamar a atenção dos tutores das mais diversas maneiras – sendo a agressividade e as demonstrações de carinho as mais frequentes – mostrando fortes e claros indícios de ciúmes por parte dos animais.

Por Priscila Franco
Fonte: CachorroGato @ http://www.cachorrogato.com.br/noticias/cachorros-sentem-ciumes/

Curso Adestramento de Cães

WikiAves - A Enciclopédia das Aves do Brasil

WikiAves, um site de conteúdo interativo, direcionado à comunidade brasileira de observadores de aves, com o objetivo de apoiar, divulgar e promover a atividade de observação de aves, fornecendo gratuitamente ferramentas avançadas para controle de fotos, sons, textos, identificação de espécies, comunicação entre observadores, entre outras. Navegue, participe e descubra como funciona o WikiAves.

É possível ver e saber tudo sobre qualquer espécie brasileira, hábitos, alimentação, habitats e inclusive ouvir várias gravações de vocalizações. Clique nos nomes das espécies e saiba tudo sobre elas. Explore o site.

http://www.wikiaves.com.br/

Até eu tenho fotos no WikiAves, comecei com simples diversão; sou um amador tanto em fotografia quando em observação de aves mas hoje em dia é para mim isso é bem mais do que um simples passatempo.
Observar aves me proporciona um contato mais direto e efetivo com a Natureza ao meu redor, me reconecta à Mãe Terra.
Além disso parece que apura meus sentidos e quando estou nessa atividade eu penso menos o que é muito agradável... rs
Observar e fotografar aves tornou-se para mim uma espécie de meditação / contemplação.

Se quiser ver minhas fotos clique aqui.

Ter um animal de estimação traz alegria, qualidade de vida e saúde

Um casamento pode se desfazer em pouco tempo. Já a relação entre um humano e seu bicho de estimação, quase sempre, cumpre o “até que a morte os separe”. É assim há pelo menos 10 mil anos, desde que o homem domesticou cão e gato. Aos poucos, tornaram-se companheiros inseparáveis e essa relação foi evoluindo ao longo do tempo.

Filmes como “Marley e Eu” e “Para sempre ao seu lado”, que mostram o relacionamento entre os humanos e seus animais de estimação, não só foram sucesso de bilheteria como levaram plateias às lágrimas.

Hoje, pesquisas e estudos em todo o mundo demonstram que a convivência com os animais traz tranquilidade e bem-estar às pessoas. Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal e atualmente com o programa “Missão Pet” no canal a cabo Nat Geo, vivencia de perto essa interação benéfica.

“Quando levamos cães em locais com pessoas doentes, em especial crianças, e idosos, constatamos a alegria que trazem. A relação é muito diferente se há apenas humanos nas visitas”, relata Rossi.

O zootecnista lembra-se, em especial, de um golden retriever. “Era muito interessante, porque ele sempre dava carinho e atenção à criança que mais parecia triste. Ficava do lado e, aos poucos, ela começava a brincar.”

Animais Terapeutas

Quem chega à casa da veterinária Hannelore Fuchs, doutora em psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) e especialista em comportamento animal tem grandes chances de ser recebido, logo no jardim, pela tartaruga Telha. Se o visitante abaixar-se com delicadeza, provavelmente o animal não se esquivará ao toque. Alguns metros adiante, em direção ao consultório onde Fuchs atende seus pacientes — tanto bichos quanto pessoas — para acompanhamento psicológico, certamente encontrará a simpática cadela Violeta Maria, sem raça definida (SRD). Ela não costuma latir, saltar sobre visitantes ou tentar lambê-los. Educada, aproxima-se das pessoas com cuidado e, se for bem acolhida, se oferecerá ao afago. Pudera. Está acostumada a conviver com crianças, idosos, pessoas hospitalizadas e com deficiências físicas e mentais. Assim como Telha, ela é um “animal terapeuta”.
         
Outros animais que vivem na casa da veterinária — a poodle Patty Helena, a vira-lata Boni e Banzé Bagunça, o pastor de Berna — também são mansos e participam do programa Pet Smiles, criado há dez anos. Todos visitam asilos, hospitais, escolas. Atualmente são nove entidades atendidas — entre elas o Instituto de Tratamento do Câncer Infantil (Itaci), Unidade Hemopediátrica da Unifesp, Lar Escola São Francisco, Hospital Santa Casa de São Paulo, Residencial Albert Einstein (onde vivem idosos), Hospital da Criança e quatro enfermarias de adultos do Hospital Nossa Senhora de Lourdes. Em uma década já foram realizados aproximadamente 11 mil atendimentos.

Em geral, as visitas mensais dos “bichos voluntários” (há também chinchilas, coelhos e um gato no grupo) têm hora para começar, mas não para terminar. Muitas vezes, a simples presença do animal estimula processos mnemônicos e cognitivos, ajuda idosos a relembrar fatos da juventude, motiva pacientes a enfrentar tratamentos desconfortáveis e dolorosos com menos resistência, favorecem a recuperação física e estimulam a criatividade e a predisposição ao aprendizado de crianças com atrasos no desenvolvimento físico ou mental. Outros trabalhos similares ao Pet Smiles têm sido desenvolvidos no país.

Causa Animal Brasileira, onde esta sua moral?

Todo dia, o sol se põe em nosso passado, mas nasce para o nosso futuro. Sempre que perdemos 24 horas, ganhamos mais 24 horas. Cada novo dia nos dá uma outra chance de fazer certo as coisas, e de fazer certas coisas. A escolha só depende de nós.

A moral representa o conjunto de regras de conduta baseadas nas noções de bem e de mal. É sinônimo de ética e decência.

Quando eu optei em iniciar um trabalho em prol do bem estar animal, eu imaginei que encontraria junto as pessoas que se intitulam defensoras dos animais muito mais que uma troca de idéias e experiências, mas a aproximação com os valores e princípios pregados por seu patrono, São Francisco de Assis.

Hoje em dia, a realidade encontrada por mim é totalmente diferente da imaginada . A ideia do meu compromisso com os animais, é talvez a única inspiração, que me assegura que é preciso continuar nesta luta.

Eu acreditava que na medida que avançasse no desafio, teria mais coisas importantes para aprender e fazer, trabalhando a favor do crescimento desta nobre causa. Tornando-me cada vez mais confiante, de que conseguiria ver sendo respeitado pela sociedade os direitos dos animais.

Confesso que me encontro totalmente decepcionada. Algumas pessoas podem até contestar, mas eu acredito que se não houver urgentemente um resgate dos valores morais e éticos, estaremos nos movendo rapidamente na direção contraria a meta sonhada, ou seja , a proteção e defesa dos animais cairá num grande descrédito, o que antes era sinônimo de vontade, se transformará em frustração.

40 erros que um dono pode cometer com seu animal

Pode parecer uma relação longa, a verdade é que ainda está incompleta, mas tudo se resume em ter responsabilidade sobre uma vida que depende exclusivamente de você. Animal dá sim trabalho, despesa e exige tempo do seu dia, mas eles sabem como ninguém recompensar todo tempo e dinheiro gasto com eles!
   (clique nos links e saiba o por que.)

1- Comprar
2- Acreditar em curas milagrosas divulgadas na internet
3- Não castrar seu pet
4- Não vacinar adequadamente
5- Não levar seu cão periodicamente ao veterinário
6- Não dar atenção a sintomas como, diarreia, vômitos, falta de apetite, perda de pelo e apatia persistentes
7- Ignorar a claudicação ou o levantar da perninha quando seu animal anda..
8- Ignorar o fato de seu cão arrastar o bumbum no chão insistentemente
9- Não reconhecer posturas que são indício de dor
10- Não manter a higiene dos utensílios e ambiente onde vive o animal

12 maneiras simples de tornar seu cachorro mais calmo

Caminhadas diárias: fundamentais.
Quando você chega em casa, seu cachorro parece que enlouquece? Ele pula até não poder mais, faz xixi, late, etc.? Rói a casa, os móveis? Te chama o dia inteiro? Faz festa até de madrugada?

Não, seu cachorro não está ficando louco! (Ainda bem…)

Muitas pessoas andam escrevendo para o site ultimamente desesperadas com os cães que tem. São os mais incríveis(e, às vezes, até engraçados) relatos. É cachorro que morde os dedos, que cava buracos no quintal todo, que vai para a casa dos vizinhos pulando o muro… Seu cachorro é assim? CALMA!

Pois é, essa é a nossa dica número 1.

1 - Antes de qualquer coisa aceite que seu cachorro é um cachorro.
Por mais estranho que isso possa parecer, muitas pessoas humanizam os cachorros tanto, mas tanto, que acabam esquecendo a natureza deles. Então, aceite e tenha paciência. Antes de qualquer coisa, é fundamental que seu cachorro esteja sempre limpo e com ração e água frescas. Além disso, você precisa entender que cachorros são animais que p-r-e-c-i-s-a-m gastar energia. Se você quiser ignorar isso, nada vai dar certo. Portanto, respire bem fundo, acalme-se e vamos aos próximos passos, onde você aprenderá maneiras criativas sobre como gastar a energia no dia-a-dia.

Apego aos bichos

...
Com 100,00 m 2 de terra fértil à nossa disposição, estudantes, professores e eu nos deliciávamos com períodos diários de jardinagem e de trabalho ao ar livre. Tínhamos diversos animais de estimação, inclusive um veadinho, ternamente idolatrado pelas crianças. Eu também amava o pequeno cervo a ponto de permitir que ele dormisse em meu quarto. Ao raiar a madrugada, a criaturinha aproximava se, tropeçante, de minha cama, para uma carícia matutina.

Um dia, quando certo negócio exigia minha atenção na cidade de Ranchi, alimentei o animalzínho mais cedo do que de costume. Disse aos meninos que não lhe dessem comida até o meu regresso. Um deles, desobediente, lhe deu uma grande quantidade de leite. Ao voltar, à tarde, tristes novas me esperavam:   O filhote de corça está quase morto, devido à superalimentação.

Em lágrimas, coloquei o bichinho inanimado em meu colo. Orei piedosamente a Deus para que a vida lhe fosse poupada. Horas depois, a pequena criatura abriu os olhos, ficou de pé e caminhou, muito fraca. A escola inteira gritou de alegria.

Naquela noite, porém, aprendi uma lição profunda, que jamais poderei olvidar. Eu permanecera velando o animalzinho até duas horas da madrugada, quando adormeci. O veadinho apareceu me em sonho e me disse:   O senhor está me segurando. Por favor, deixe me ir; deixe me ir!
Muito bem  respondi em sonho.

Acordei imediatamente e gritei:   Meninos, o veadinho está morrendo!   As crianças correram para junto de mim. Precipitei me para o canto do quarto onde colocara o animalzinho querido. Ele fez em último esforço pata levantar se, cambaleou em minha direção e em seguida tombou a meus pés, morto.

De acordo com o carma de um grupo que guia e regula os destinos dos animais, o prazo de vida do veadinho chegara ao fim, e ele estava pronto para progredir a uma forma mais elevada. Entretanto, com meu profundo apego, que mais tarde reconheci ser egoísta, e com minhas preces fervorosas, eu conseguira reter aquela vida nas limitações da forma animal enquanto sua alma lutava por se desembaraçar. A alma do veadinho fez sua súplica em sonho porque, sem minha amorosa permissão, ele não podia ou não queria partir. Assim que concordei, ele se foi.

Toda tristeza me abandonou; compreendi mais uma vez que Deus quer que Seus filhos amem a cada coisa como uma parte Dele, e não sintam ilusoriamente que a morte é o fim de tudo. O homem ignorante vê apenas o muro intransponível da morte, ocultando para sempre os amigos queridos. Mas o homem sem apego, o que ama os outros como expressões do Senhor, compreende que na morte os seres amados apenas regressaram para um hausto de alegria em Deus.
...

Trecho do livro Autobiografia de um Iogue (de Paramahansa Yogananda)

Os Animais tem Alma. E daí?

Se dermos uma rápida busca na internet vamos encontrar milhares de artigos, livros e revistas relacionados à questão da alma animal. Os animais têm alma? Os animais são nossos irmãos? Eles reencarnam? Existem animais na erraticidade?

Cada um fala o que já leu, o que já ouviu, outros muitas vezes colocam suas próprias deduções sem o critério dos estudos mais sérios,mas ao final, o leitor  geralmente acaba ficando satisfeito ao saber que sim, os animais têm alma, sim, eles reencarnam, sim , eles ficam numa espécie de erraticidade, embora alguns ainda hoje digam que não.

Certo, os animais têm alma, e daí? O que muda em nossa concepção ao descobrirmos que  eles são nossos irmãos e que possuem alma? Ficamos felizes  “Puxa que bom, Deus também deu alma aos animais...” ou  “Nossa que fantástico descobrir que são nossos irmãos”.

Será que já paramos para nos perguntar o que realmente muda quando descobrirmos que os animais possuem alma, o espírito encarnado que lhes anima o corpo e que, devido a isso, sua evolução depende também de novas reencarnações ?

Muda alguma coisa?

O seu cachorro fica cavando buracos em todo seu jardim?

Saiba por que ele faz isso e como proceder.
Se você tem um cachorro que vive em um terreno onde tenha terra, já deve ter visto a cena dele cavar diversos locais a todo o momento.
Mas por que os cachorros cavam e o que fazer para modificar esse comportamento canino?
Saiba o motivo desse comportamento e veja algumas dicas que podem te ajudar.

Por que os cachorros cavam
Cachorros podem cavar para ficar em um local aconchegante, por diversão, para enterrar coisas, procurar presas ou por ansiedade
Antes de tudo, é preciso entender um pouco sobre esse instinto animal para depois saber como deter o comportamento.

Na realidade, há diversas explicações para essa atitude canina que não é muito bem vista pelos seus donos, já que faz muita sujeira no ambiente e deixa o animal com aparência suja, além de deixá-lo exposto a possíveis doenças de micro-organismos que se alojam na terra.

Sem falar, também, no risco de acidentes, já que há possibilidade de ter algum objeto cortante enterrado e o cachorro poderá se machucar enquanto estiver cavando.
A seguir, entenda alguns motivos por que os cachorros cavam.

Ahimsa - A não violência

Mahatma Gandhi (1869-1948) é idolatrado na Índia como mentor espiritual, sendo hoje considerado o maior mestre do Hinduísmo moderno. Ele foi o maior divulgador do conceito da Ahimsa, ou seja, do princípio da não-violência. Gandhi apregoava a importância do homem exercer perfeito controle sobre si mesmo.

Ahimsa é uma palavra em sânscrito, da cultura/filosofia/religião hinduísta. Desde o ponto de vista etimológico a palavra Ahimsa derivada raíz sâncrita hims- que significa ‘prejudicar’, ‘danar’, ‘ferir’, ‘matar’, com a adição do prefixo 'a', que é a negação, o que lhe dá o significado de - ‘não prejudicar’, ‘não danar’, ‘não matar’, etc.

Trata-se de uma ação propriamente dita, é portanto um conceito prático. Basicamente essa ação tem a intenção de preservar e respeitar todos os seres do universo (animais, vegetais, minerais, etc) a partir de uma postura de só entrar em contato com esses seres para troca simbiótica (favorecendo os agentes envolvidos) de amor e paz. Assim, Ahimsa significa não entrar em contato em vão, não manter relações à toa com os seres, mas sempre com o objetivo de receber e proporcionar amor cósmico.

...
Os jainas e os budistas na India aderem à disciplina de não-violência. Monges jainas evitam comer depois do sol se por, para evitar ingerir acidentalmente pequeníssimas criaturas que aparecem ao anoitecer. Em todas as ações, incluindo andar e falar, os monges jainas fazem um esforço consciente para não machucar mesmo o menor dos organismos. Alguns dos códigos de conduta que eles seguem incluem cobrir suas bocas com um pedaço de pano, varrer o chão quando andam e limpar suas cadeiras antes de sentar para evitar ferir qualquer ser vivo. Os monges hindus, quando adotam a vida de sannyasa, renúncia, eles fazem o voto de ahimsa, e se comprometem com todos os seres vivos de que eles não precisam temê-los de nenhum modo. Eles vivem uma vida santa, sensível a todos e não ferindo o outro por pensamento, palavra ou ação.
...
http://www.vidyamandir.org.br/textnaoviolencia.htm


Chave para o desenvolvimento da paz interior - A Não Violência

Hermógenes dá dicas para a prática de Ahimsa

A Filosofia Budista e o respeito pelos animais não humanos

“Haverá um dia em que o homem verá o assassinato de um animal, como assim vê o de um homem.”
- Buda -

Que o budismo é uma tradição também religiosa que prima pela compaixão por todos os seres viventes não é novidade. É, também, bastante conhecida a existência de paralelos entre muitos dos seus ensinamentos e conceitos científicos oriundos da Física Quântica e outras áreas do conhecimento ocidental, como o de “physis” e o do “self”. No que tange à problemática ambiental – campo de discussão que deve incluir a nossa relação com os animais não-humanos – um aspecto muito interessante a destacar é que os paralelos entre tais preceitos religiosos e os conceitos apontados desvelam, entre outras questões, os limites da nossa percepção fragmentada sobre tudo, e nos remetem a uma cosmovisão na qual todos os fenómenos são manifestações do que podemos chamar de “Ser” (o filósofo Martin Heidegger, por exemplo, diz que a physis é a revelação, a manifestação do Ser).

Essa cosmovisão, chamada por alguns de holística, sistémica ou, ainda, ecológica, leva-nos a uma percepção do universo como um todo dinâmico cujas partes se encontram inextricavelmente inter-relacionadas e que inclui cada um de nós: plantas, rochas, animais humanos e não-humanos, etc. As interconexões entre esses diferentes caminhos do conhecimento – religioso, filosófico e científico – mostram, portanto, um grau de consciência absolutamente fascinante.

Tal como se sabe, os diversos povos da Índia tiveram em comum a fascinação e o respeito pelos animais. Os hindus, budistas e jainistas consideravam todas as formas de vida como igualmente importantes, pois as julgavam encarnações de uma energia ou força vital única. Acreditavam que, quando uma pessoa morria, essa energia era reencarnada em alguma outra forma. Portanto, matar um ser vivo era inadmissível. Até um insecto poderia ser vitalizado pela alma de um antepassado ou amigo. Numa forma ainda mais forte de expressar esse sentimento pelos animais, a mitologia hindu dotou os deuses de atributos animais.

Pulgas em cães e gatos

O que é uma pulga?
A pulga é um inseto parasita que vive na pele de um hospedeiro e se alimenta de seu sangue.
A pulga que parasita os cães (Ctenocephalides canis ) e gatos (Ctenocephalides felix ) é a mais comum, dada a convivência muito íntima do homem com estes animais de estimação.

O cão  infesta-se de pulgas facilmente pelo simples fato de o levarmos à rua para seu passeio diário. As pulgas apesar de não possuírem asas são capazes de pular até 30 cm, não havendo portanto necessidade de contato íntimo, o cão ou o gato podem adquiri-las passeando na rua ou no jardim onde habitualmente andem outros animais.
Assim, independentemente da classe social e das condições de higiene, as pulgas que parasitam cães e gatos entram muito facilmente em nossas casas, trazidas pelos nossos amigos.
É importante saber que as pulgas podem prejudicar a saúde do seu cão/gato , assim como alterar o comportamento do animal, gatos podem tornar-se mais irritadiços e agressivos.

Doenças associadas às pulgas:

Dermatites
A picada da pulga normalmente causa uma comichão incomodo. Mas este é um mal menor. No ato de sugar o sangue, a pulga injeta a sua própria saliva, que tem propriedades anticoagulantes, para melhor sugar o sangue. É esta substância da saliva o agente que provoca a irritação. Animais mais sensíveis e alérgicos à saliva da pulga podem desenvolver eczemas e outras doenças cutâneas como a dermatite pruriginosa.

Carrapato, um perigo para a saúde de seu animal e de sua família

Carrapat​os- Doenças Transmitidas, combate e prevenção.

Os carrapatos podem transmitir doenças e até colocar a vida do seu animal em risco. Em geral, essas infecções são de difícil diagnóstico e exigem tratamento prolongado. Há ainda a possibilidade de pessoas serem infectadas.

As principais doenças transmitidas por carrapatos são a febre maculosa, a erliquiose e a babesiose.
Essas doenças, cada vez com índices maiores de infestação no País, podem debilitar seu cachorro, causando anemia grave, dificuldade de locomoção, febre, perda do apetite, sangramento e prostração.

Febre maculosa
A febre maculosa ou febre do carrapato é uma doença infecciosa causada por uma bactéria transmitida por um carrapato chamado de "carrapato estrela" ou "carrapato de cavalo". Geralmente quando está na fase de larva, esse carrapato é chamado de "carrapatinho" ou "micuim", e há também a fase de ninfa, quando as pessoas o chamam de "vermelhinho". Mas, na verdade, todos esses nomes se referem a uma mesma espécie de carrapato, ou seja, o carrapato-estrela, que transmite a febre maculosa.

O carrapato se contamina quando pica capivaras ou outro hospedeiro natural infectado, e assim são capazes de transmitir a febre maculosa ao picar os cachorros e as pessoas.
Quando o carrapato, que está fixado no animal ou na pessoa, vai se alimentar, ele suga o sangue e transmite a doença através da saliva, onde está a bactéria. Em geral, o carrapato precisa permanecer fixado na pele por pelo menos 4 a 6 horas para transmitir a febre maculosa.

Termo de Adoção Responsável

Um dos mais graves problemas enfrentados pelos protetores é o abandono de animais, especialmente de cães e gatos. Uma das formas de minimizar esse problema é a adoção, recolocando o animal em novo lar. No entanto, nem todas as adoções são bem sucedidas e nesses casos, muitas vezes não é fácil ter o animal de volta. Daí a importância de cercar-se a adoção de alguns cuidados.

Uma das coisas que pode ser feita é a assinatura de um documento (Termo de Adoção e Guarda ou Termo de Adoção Responsável) em que o adotante se compromete a cumprir uma série de exigências ao levar o animal para sua casa. Se o candidato à adoção do animal for responsável e igualmente cuidadoso, não se importará de assiná-lo. Ele entenderá. Caso contrário, é melhor que não adote o animal. Possivelmente, não será um bom guardião.

Igualmente importante é ter critérios definidos e  rigorosos na seleção do adotante, antes da entrega do animal. Para isso você pode utilizar um roteiro de “seleção do candidato”. Mais um detalhe: é bom que o adotante deixe uma cópia do documento de identidade e do comprovante de residência com fins de futuras visitas.

10 Coisas incríveis que seu cão sabe sobre você

Os cães utilizam todos seus sentidos para adivinhar nossas emoções, pensamentos e muitas vezes até nossas intenções. Eles têm a capacidade de perceber nossos sentimentos e até antecipar nossas ações como se estivessem lendo nossa mente. Esta habilidade muito possivelmente foi adquirida graças a uma rica linguagem que seus ancestrais utilizavam em suas comunidades naturais de lobos.

Este conceito, relativamente novo que define a capacidade de cada indivíduo para reconhecer sentimentos próprios e alheios, e a habilidade para manejá-los, é conhecido como inteligência emocional. Os animais têm, sem sombra de dúvidas, a habilidade para reconhecer os sentimentos, mas precisam de seus humanos para aprender a dominar seus temores e inseguranças. Eles são tão sensíveis a nossos estados de ânimo que são ficam aborrecidos se estamos chateados ou nos consolam se percebem que estamos tristes.

Algumas pessoas chegam a adjudicar a seus mascotes a capacidade de reconhecer as boas ou más intenções dos desconhecidos e não estão equivocados. Todos os que temos um cão ou mesmo um gatinho como animal de estimação vimos em algum momento como eles se comportam com diferentes pessoas. Uns são recebidos com alegria e entusiasmo e outros recusam de imediato, sem que pareça ter ocorrido nada que provoque esta reação. Muitos, na verdade, acham que os animais têm uma espécie de "sexto sentido" à hora de julgar as pessoas e às vezes parece que eles podem mesmo distinguir claramente os bons dos maus.

Exatamente por isso, que estes animais tão inteligentes sabem mais sobre nós do que cremos. Eles conhecem muito mais dos seus humanos, do que o inverso:

Gatos comem grama?

Todo mundo já viu um gato se lamber. E como se lambem os danadinhos... Puro prazer? É bem provável, mas toda essa lambedura tem um motivo muito mais importante: a higiene do próprio animal. É o famoso banho de gato... E dessa maneira, lambendo-se o tempo todo, que gatos e gatinhas são considerados um dos animais domésticos mais limpos de nosso convívio.

Mas, infelizmente, toda essa "limpeza" tem um preço pois, no ato da lambedura, os felinos engolem, involuntariamente, uma quantidade muito grande pêlos. Esses pêlos, na maioria das vezes, podem irritar a mucosa do estômago (é comum presenciar gatos regurgitando, através de pequenos vômitos, para se livrarem do incômodo) ou se acumularem nos intestinos formando bolas de pêlos (conhecidas como fecalomas), obstruindo os intestinos e dificultando a saída de fezes que, em certos casos, se faz necessáro uma intervenção cirúrgica. Mas a natureza, sábia como sempre, faz com esses adoráveis animais encontrem o seu próprio remédio. Você já viu gato comendo grama?

A maioria já viu cachorros comerem grama, mas gato... Mas os felinos ingerem e gostam muito de "graminhas e matinhos" e por serem animais bastante discretos e independentes é difícil presenciar a hora que eles, literalmente, "pastam"... Porém, muitos donos de gatos já viram seus animais "atacarem" as plantas e flores do interior de suas residências (principalmente em apartamentos): violetas, samambaias, crisântemos e folhagens em geral... E aqui vai um alerta, cuidado com plantas ornamentais, muitas são comprovadamente tóxicas ao serem ingeridas.

Por que cachorros comem grama?

Muitas pessoas já viram seus cachorrinhos comendo grama e ficaram preocupadas por não ser um comportamento que nosso cão apresenta normalmente. Entretanto, essa preocupação não é necessária. Neste artigo, explicaremos o que leva um cachorro a comer grama.

Antes de tudo, vale frisar que é absolutamente normal que um cão coma grama e outras plantas que estão à disposição dele. Mas por que será que eles fazem isso? Será que existe algum perigo no consumo excessivo de plantas? Descubra a seguir!

Principais causas que levam o cão a ingerir grama
O mal-estar gastrointestinal é a principal causa da ingestão de plantas.

Sem dúvida, esse comportamento é bastante intrigante. Para explicá-lo, existem algumas teorias possíveis, listadas abaixo:

1.Mal-estar gastrointestinal
A principal e mais comum explicação sobre esse assunto é o mal-estar gastrointestinal do cão. Diversos veterinários defendem que a grama atua  como erva medicinal nesses casos.
Então, se você reparou que o seu cão tem ingerido um pouco de grama ou até mesmo as plantas de seus vasos e do jardim, não se desespere: é muito provável que ele esteja sentindo um desconforto gastrointestinal, e tem ingerido essas plantas como forma de remediar o desconforto.

A Racionalidade Irracional - José Saramago

Eu digo muitas vezes que o instinto serve melhor os animais do que a razão a nossa espécie. E o instinto serve melhor os animais porque é conservador, defende a vida. Se um animal come outro, come-o porque tem de comer, porque tem de viver; mas quando assistimos a cenas de lutas terríveis entre animais, o leão que persegue a gazela e que a morde e que a mata e que a devora, parece que o nosso coração sensível dirá «que coisa tão cruel». Não: quem se comporta com crueldade é o homem, não é o animal, aquilo não é crueldade; o animal não tortura, é o homem que tortura. Então o que eu critico é o comportamento do ser humano, um ser dotado de razão, razão disciplinadora, organizadora, mantenedora da vida, que deveria sê-lo e que não o é; o que eu critico é a facilidade com que o ser humano se corrompe, com que se torna maligno.

Aquela ideia que temos da esperança nas crianças, nos meninos e nas meninas pequenas, a ideia de que são seres aparentemente maravilhosos, de olhares puros, relativamente a essa ideia eu digo: pois sim, é tudo muito bonito, são de facto muito simpáticos, são adoráveis, mas deixemos que cresçam para sabermos quem realmente são. E quando crescem, sabemos que infelizmente muitas dessas inocentes crianças vão modificar-se. E por culpa de quê? É a sociedade a única responsável? Há questões de ordem hereditária? O que é que se passa dentro da cabeça das pessoas para serem uma coisa e passarem a ser outra?

Uma sociedade que instituiu, como valores a perseguir, esses que nós sabemos, o lucro, o êxito, o triunfo sobre o outro e todas estas coisas, essa sociedade coloca as pessoas numa situação em que acabam por pensar (se é que o dizem e não se limitam a agir) que todos os meios são bons para se alcançar aquilo que se quer.

Falamos muito ao longo destes últimos anos (e felizmente continuamos a falar) dos direitos humanos; simplesmente deixamos de falar de uma coisa muito simples, que são os deveres humanos, que são sempre deveres em relação aos outros, sobretudo. E é essa indiferença em relação ao outro, essa espécie de desprezo do outro, que eu me pergunto se tem algum sentido numa situação ou no quadro de existência de uma espécie que se diz racional. Isso, de facto, não posso entender, é uma das minhas grandes angústias.

José  Saramago, do Livro 'Diálogos com José  Saramago"

* O trecho inicial deste artigo foi citado na Palestra que ocorreu no GFFA sobre o Manifesto da Consciência Animal, no dia 04/08/2012.

Redação do blog Irmão  Animais- Consciência Humana

Fonte: http://irmaosanimais-conscienciahumana.blogspot.com.br/2012/08/a-racionalidade-irracional-jose-saramago.html

Evangelho Animal

Capítulo 1
Verdades evangélicas sobre os animais
Creio que o Evangelho tem a ver com a maneira como compreendemos e tratamos os animais. Acreditar no Evangelho pode e deve fazer uma diferença em nossas interações cotidianas com outras criaturas. Neste capítulo exponho opiniões pessoais sobre as verdades evangélicas que fortificaram meu engajamento pelos animais durante mais de vinte e cinco anos.

Por que me dirijo em direção a Jesus? Enquanto tantos outros olham em outras direções, por que para mim ele representa uma inspiração na luta pelos direitos dos animais? Por que não Darwin e a história da evolução? Ou Albert Schweitzer e sua noção de respeito pela vida que é permanentemente amplificado? Ou mesmo São Francisco de Assis e sua afirmação que os animais são nossos irmãos e irmãs? Enquanto outras pessoas, cristãs ou não, não vêem a relação, o que me leva a proclamar Jesus Cristo como fonte de inspiração - na verdade como a fonte de inspiração - por uma reconsideração revolucionária do estatuto dos animais?

Não tenho outra escolha, confesso minha fé, noto o que me anima, me inspira e cria em mim um tipo de convicção íntima que estar ao lado de Jesus é lutar contra os maus tratos infligidos aos animais. Eis os meus cinco artigos de fé:
Em primeiro lugar, estar com Jesus [to stand for Jesus] é defender os animais contra todas as concepções puramente humanistas ou utilitárias que fazem deles objetos, mercadorias, recursos à nossa disposição.

Penso algumas vezes que a contribuição mais importante do Evangelho para o nosso modo de pensar o mundo resida na simples asserção que não somos Deus. Retomando as palavras de Hans von Balthasar que citei várias vezes: "Com relação à criação, o que é essencial é que saibamos que não somos o Criador". Afirmar que os animais são criaturas assim como nós o somos é rejeitar, de forma definitiva, a deificação de nossa espécie, tão característica das concepções humanistas de nossas prerrogativas sobre as outras espécies.

Rubem Alves - dando voz a Gandhi

‘Olhar para os animais e as plantas me enchia de alegria.

Eu queria cuidar deles como quem cuida de algo frágil e precioso. Aí o mandamento cristão do amor me parecia pouco exigente. Pedia apenas amor ao próximo. Os cristãos entenderam que esse ‘próximo’ se referia apenas às pessoas. Eu, ao contrário, penso que todas as coisas que vivem são minhas irmãs. Elas possuem uma alma.(...) Amarás à mais insignificante das criaturas como a ti mesmo. Quem não fizer isso jamais verá a Deus face a face.(...)

Agora digam: acham que eu poderia me alimentar da carne de um animal que foi morto e sentiu a dor lancinante da faca, para que eu vivesse? Que alegria poderia eu ter em tamanha crueldade? A natureza foi generosa o bastante, dando-nos frutas, verduras, legumes, cereais. Por mais que tentem me convencer de que as maneiras ocidentais são as melhores para a saúde, sempre as encarei com horror. Antes morrer que matar. Em nenhuma hipótese causar medo ou dor a coisa alguma.(...)

Nosso destino espiritual passa por nossos hábitos alimentares. Estou convencido de que a saúde depende de uma condição interior de harmonia com tudo o que nos cerca. Comer demais é uma transgressão dessa harmonia.(...) Quando nos abstemos estamos silenciosamente dizendo às coisas vivas: ‘Podem ficar tranquilas. Não as farei sofrer desnecessariamente. Só tomarei para mim o mínimo necessário para que meu corpo viva bem.

Foi o que fiz. Vivi frugalmente. Fiz jejuns enormes. E minha saúde foi sempre boa.(...) Toda vida é sagrada, porque tudo o que vive participa de Deus. E se até mesmo o mais insignificante grilo, no seu cricri rítmico, é um pulsar da divindade, não teríamos nós, com muito mais razão, de ter respeito igual pelos nossos inimigos?(...) Sempre acreditei que no fundo dos homens existe algo de bom. Como poderia eu odiar qualquer pessoa, mesmo os que me tinham por inimigo?

Dirão que não é assim. Há crueldade, o ódio, a morte... Será que algumas gotas de água suja serão capazes de poluir o oceano inteiro? Que força do mal poderá apagar o divino que mora em nós?(... ) Parece que os ocidentais não acreditam que os homens sejam naturalmente bons e belos. É por isso que se tornaram especialistas em meios de coerção e sabem usar o dinheiro e os fuzis como ninguém mais... É por isso que estão sempre tentando melhorar os homens por meio de adições: a comida em excesso, a roupa desnecessária, a velocidade da máquina, a complicação da vida...

‘Eu nunca quis entender de política. Só quis entender da bondade e dos seus caminhos. A política foi uma conseqüência e não a inspiração... Eu teria feito as mesmas coisas, ainda que não houvesse conseqüência alguma.(...) Os políticos, acostumados a usar o poder da força, desconhecem o poder das sementes...(...) Não haverá parto se a semente não for plantada, muito tempo antes... Não haverá borboletas se a vida não passar por longas e silenciosas metamorfoses...’

(A magia dos gestos poéticos, Ed. Olho D’Água)

Andava na direção contrária. Pensava o que ninguém pensava. Fazia o que ninguém estava fazendo. É compreensível que tenha sido assassinado. (Folha de S. Paulo, Tendências e Debates, 31/01/2001.)

Redação do blog Irmão  Animais- Consciência Humana
Fonte: http://irmaosanimais-conscienciahumana.blogspot.com.br/2012/10/rubem-alves-dando-voz-gandhi.html

Cuidados com Fogos de Artifício


Cuidados com Fogos de Artifício
Os fogos são responsáveis por acidentes dos mais variados tipos, principalmente com cães.

Natal, Ano Novo, Copa do Mundo, finais de campeonatos de futebol são ocasiões em que mais animais se perdem de seus donos.

Os animais se assustam facilmente com o barulhos dos fogos e rojões. O pânico desorienta o animal, que tende a correr desesperado e sem destino. Muitos animais podem sofrer paradas cardiorrespiratórias, convulsões e ter diversos problemas que podem os levar à morte.

Para evitar tudo isso, garanta condições mínimas de segurança e evite ambientes conturbados e barulhentos. Tranqüilize seu bichinho, transmitindo a sensação de que tudo está bem e sob controle.

Lembre-se que, se o seu bichinho conseguir fugir, por desespero, ele irá correr por vários e vários quilômetros. É MUITO IMPORTANTE deixar o animal com uma coleira com um telefone de contato. Se alguém conseguir resgatar seu bichinho, você poderá ser contatado. Utilize uma plaqueta de metal ou de plástico, com uma escrita que não saia se molhar. Etiquetas de papel escritas à caneta além de rasgar com facilidade ficam ilegíveis quando molhadas.

Os animais têm alma?


Os animais têm alma?

Sim, os animais têm espírito. Basta revermos a questão 597 do Livro dos Espíritos, Kardec pergunta : "há nos animais um princípio independente da matéria?" . É claro que Kardec estava se referindo ao Princípio Inteligente , diferente do Princípio Material, ambos referidos na questão 27 do L.E .A resposta dos Espíritos à questão 597 é: "Sim, e que sobrevive ao corpo".

Este mesmo assunto está referido em “A Gênese” Cap.3 item 21: "a verdadeira vida, do animal, tal como a do homem, não se encontra no envoltório corporal; ela está no Princípio Inteligente que preexiste e que sobrevive ao corpo".  Segundo Leon Denis, o Principio Inteligente sonha nos animais.Revendo esta belíssima citação poética , lemos que a alma dorme na pedra, sonha no vegetal, agita-se no animal e desperta no homem. Esta citação poética tem um respaldo importante em toda a obra doutrinária, pois, o P.I. estagia nos vários níveis evolutivos na busca de seu progresso espiritual.

Em André Luiz - Evolução em dois Mundos - Cap.5 "Células e Corpo Espiritual" lemos: com o transcursos dos evos, surpreendemos as células como PIs de feição rudimentar, a serviço do PI em estágio mais nobre nos animais superiores e nas criaturas humanas,renovando-se continuamente no corpo físico e no corpo espiritual,em modulações vibratórias diversas, conforme a inteligência que assenhoreia, depois do berço e depois do túmulo.

Em "O Livro dos Espíritos" item 540, está expresso "...é assim que tudo serve, tudo se encadeia na natureza desde o átomo primitivo até o Arcanjo, pois ele mesmo começou pelo átomo".

Os animais reencarnam?
Sim, os animais reencarnam. Há alguns anos o prezado médium Divaldo P. Franco relatou-me caso ocorrido segundo ele com o nosso querido Chico Xavier. Disse-me ele que Chico possuía um cachorro de nome Don Pedrito, e este cachorro morreu atropelado. Chico muito afetuoso também com os animais, lamentou o desencarne de Don Pedrito. Passou-se algum tempo, Chico ia andando na rua e um cachorrinho começou a segui-lo. Chico não prestou muita atenção até que Emmanuel o advertiu: "Chico pare e olhe para este cachorrinho". E Chico surpreso responde: por quê? E mais surpreso ainda ouve de Emmanuel: "é o Don Pedrito que está voltando para você”. Chico tomou o cachorrinho nos braços, levou apara casa e passou a chamá-lo de brinquinho, relatado em vários livros.

Irvênia Prada

Palestra Virtual em: www. Espiritismo.net/file/1/arquivos/pv140303.pdf

Fonte: http://irmaosanimais-conscienciahumana.blogspot.com.br/2012/08/os-animais-tem-alma.html

Filosofia Canina

1- Se eu gosto, é meu!
2- Se estiver na minha boca, é meu!
3- Se eu posso tirar de você, é meu!
4- Se estava comigo até agora pouco, é meu!
5- Se for meu nunca vai ser seu!
6- Se existem brinquedos, eles são todos meus!
7- Se eu morder, e se partir, todos os pedaços são meus!
8- Se parecer meu, é meu!
9- Se eu tiver visto primeiro, é meu!
10- Se você estiver brincando com alguma coisa e cair no chão, automaticamente, será meu!
11- Se eu pensar que é meu, é meu!
12- Se estiver quebrado, é seu!

POR ALEXANDRE DOMINGUES

Fonte: http://www.petrede.com.br/2014/filosofando/filosofia-canina/

Como ensinar o cachorro a fazer necessidade no lugar certo

Para você saber como como ensinar o cachorro a fazer necessidade no lugar certo, a primeira coisa a falar é que a velha tática de pegar o focinho e esfregar no lugar onde o animal defecou e repreendê-lo com palmadas não adianta. Essa medida, inclusive, atrapalha o aprendizado do cão, que vai ter medo do dono e defecar e urinar escondido.

Repreendê-lo depois que ele fez no local errado também não é eficaz, pois o cão não assimila a bronca com o ato e, por mais que ele faça aquela cara de culpado, não vai entender por que está tomando uma bronca.

O ideal é entender a rotina do cachorro e saber que hora ele faz suas necessidades – ao acordar, depois do almoço etc -, e levá-lo ao lugar desejado na hora certa. Depois de fazer no lugar certo, elogie o cão, faça carinho ou dê um prêmio, como um biscoito.

Se ele ainda não aprendeu, só adianta repreendê-lo na hora em que estiver defecando no lugar errado. Nesse caso, deve-se criar uma situação desagradável ao cão, como fazer ruído com uma lata jogada ao seu lado ou bater com um jornal no chão.

O cão nunca deve assimilar a situação desagradável ao dono. Se você não conseguiu surpreendê-lo na hora, limpe totalmente os dejetos (sem que ele veja) e, principalmente, não deixe nenhum rastro de odor.

POR ALEXANDRE DOMINGUES

Fonte: http://www.petrede.com.br/2014/cachorros/como-ensinar-o-cachorro-a-fazer-necessidade-no-lugar-certo/

Matéria relacionada:
Como montar o banheirinho para o cão



O papel dos animais na Terra


Os seres humanos convivem com os animais desde o princípio. Entretanto, poucos param para fazer uma reflexão séria sobre o papel dos animais na Terra. Porque esses seres tão iguais e tão diferentes ao mesmo tempo compartilham conosco esse planeta? Qual a finalidade disso? Será certo o tipo de relacionamento e convivência que praticamos com eles?

Numa série intitulada “O Papel dos Animais na Terra”, Luciana Ronconi, especialista em defesa animal, da Rádio Defesa dos Animais, faz uma reflexão sobre o tema de uma maneira bem direta e didática respondendo perguntas para a programação da rádio. Aqui apresentamos a transcrição dessa série para nossos leitores.

Por Leonardo Bezerra

1- Luciana, qual a razão da existência dos animais na Terra? Eles vieram para nos ajudar, para nos alimentar, enfim, qual sua função?

Primeiramente, gostaria de dizer que os animais estão aqui compartilhando conosco este mesmo planeta porque como nós, são seres que estão em processo de evolução.

Fui criado pelo mesmo Deus que criou você

Sinto frio, fome, sede, medo, dor, assim como você.

Por favor, não me use para se divertir, não me exponha ao ridículo, não me humilhe, não me maltrate e nem abuse de mim.

Só o que quero é sua amizade e carinho.

Não peço que goste de mim, mas somente que me respeite.

Olhe nos meus olhos e depois olhe nos seus e verá como somos parecidos.

No meu olhar você pode ver doçura, alegria, tristeza, desespero, amor ou sofrimento, e isso também posso ver no seu olhar!

Por capricho do nosso criador, não posso falar e nem me defender da brutalidade e crueldade dos seus semelhantes, mas se eu pudesse falar agora, diria a
todos que eu também mereço viver e sou digno de respeito, assim como vocês…

Com carinho,
Um animal.

POR ALEXANDRE DOMINGUES

Fonte: http://www.petrede.com.br/2014/filosofando/fui-criado-pelo-mesmo-deus-que-criou-voce/

Rádio Defesa dos Animais

Informo que em parceria com a Rádio Defesa dos Animais disponibilizamos um player da rádio neste blog possibilitando a todos ouvirem online a programação da mesma.

Primeira rádio on-line do mundo para tratar da defesa e direitos dos animais, destacando o amor aos animais, a não exploração e sua libertação da escravidão humana. (Sem fins lucrativos)

Apresentamos uma programação de músicas de primeira qualidade intercalada com textos de conscientização da defesa dos animais e de amor aos mesmos tentando despertar a consciência das pessoas para sua defesa dentro da ética e mesmo da justiça, pois não somos os donos exclusivos do planeta. É eticamente imoral e egoísta não considerar os animais no contexto da vida na Terra e vê-los apenas como mero objetos.

Nossos programas, ao lado de milhares de pessoas no mundo inteiro que lutam pela causa animal, pretendem ser mais um grito de alerta em defesa dessas criaturas, simples, belas e boas, que não tem voz, e que confiam inteiramente numa humanidade cruel.

Escolhemos a parte musical voltada para cações alegres, visando tornar a rádio dinâmica, incentivando também e principalmente os jovens, pois a vida dos animais na Terra depende das novas gerações. Infelizmente não temos como tocar músicas atuais das paradas, pois não temos como pagar direitos, assim nos restringimos às músicas indicadas por nosso provedor e aquelas que são permitidas através de Creative Commons.

Humor - Marieta...


O amor faz a diferença nos últimos dias de vida de um animal?

Conheça a história emocionante de Mel, uma golden retriever que seria sacrificada, mas ganhou vida extra em razão do carinho doado por sua família.

Mel chegou ao seu lar definitivo com um ano de idade, quando seu primeiro dono confiou seus cuidados a um amigo, porque precisaria se mudar de uma casa grande em Alphaville para um pequeno apartamento. Dócil, ela se adaptou sem grandes dificuldades. Brincava, comia e passeava de carro, um de seus passatempos favoritos. Aos dois anos, quando entrou no cio, a nova família decidiu cruzá-la. Ela então engravidou e deu à luz seis filhotes tão lindos e saudáveis quanto ela. Dois deles, o Bernardo e a Brigitte, também foram adotados por seus donos e continuaram vivendo junto dela.

Pacata, Mel era uma das cadelas mais dóceis do mundo, principalmente em comparação aos seus dois filhotes, agitadíssimos. Os anos se passaram e ela se tornou uma idosa, sempre lutando contra a obesidade – fruto de sua gula e da preguiça de passear, características não tão difíceis de encontrar em exemplares da raça golden retriever.

Alguns meses depois de seu 12º aniversário, quando os donos ofereceram a ração pela manhã, como de costume, ela se recusou a comer. Eles estranharam. Se Mel não queria se alimentar, algo grave certamente estava acontecendo. Passaram a observá-la com mais atenção e notaram que ela também se levantava pouco e quase não estava urinando. O alerta vermelho se acendeu. Era hora de tomar providências mais sérias e levá-la a uma clínica veterinária.

Ao chegar ao hospital, os especialistas constataram que ela sofria com o mau funcionamento dos rins, problema que atinge muitos animais na velhice. E o diagnóstico não era nada animador. Mel precisaria ficar internada sob intensos cuidados veterinários. Os donos voltaram para casa arrasados e preocupados com o destino da cadelinha, que era parte da família há mais de dez anos.

Areia sanitária para gatos: qual é a melhor opção?

por Vanessa Lima

Há vários tipos de granulados sanitários disponíveis nos petshops. Antes de escolher o produto adequado para o seu animal, saiba mais sobre cada um deles.

Quem tem gatos em casa sabe que eles costumam ser muito limpos e que geralmente aprendem sem grandes esforços a fazer suas necessidades no local certo. Basta colocar à disposição dos animais (em um local longe da comida deles, é claro) uma caixa com areia sanitária. No entanto, hoje, as prateleiras de pet shops já dispõem de diferentes tipos de granulados: areia, sílica e até madeira fazem parte do leque de escolha dos consumidores. Mas qual é a melhor opção para a sua casa, para a sua rotina e, principalmente, para o seu bichinho? Selecionamos algumas das principais opções para te ajudar a decidir.

Areia comum – São mais baratas e você pode até coletar na praia, se morar perto de uma que não tenha o solo contaminado por passagem de esgoto. Mas as desvantagens são significativas. Como nunca se sabe ao certo a composição do material, ele pode vir com algum tipo de fungo ou bactéria e deixar seu bichinho doente. Além disso, esse tipo de areia não controla os odores, nem absorve a urina, exigindo a troca completa e lavagem da bandeja toda vez que seu pet fizer cocô ou xixi.

Granulado comum à base de argila – É a opção mais encontrada em pet shops e até em supermercados. Composta por granulados escuros, em tons que variam do marrom ao acinzentado, de acordo com a marca, não é tão cara e o pacote com 4 kg custa em torno de R$ 5. O xixi forma pequenos torrões, fáceis de serem coletados com a pazinha. O conteúdo da bandeja costuma exigir troca total a cada semana, dependendo do animal. O granulado não gruda na pata do gato e, portanto, é mais difícil de ser espalhado pela casa.

Direitos Humanos e Direitos Animais

Por que é tão difícil defender os animais?
Num mundo que não respeita nem sequer "os direitos humanos" fica muito difícil respeitar os direitos dos animais.
A evolução técnica em todos os campos trouxe ao mesmo tempo a evolução do pensamento, pois a técnica não pode aperfeiçoar-se independente do pensamento. O homem moderno se aprimora em todos as atividades, mas só pratica aquelas que lhes convém. Um dos campos pouco conhecidos ou não praticado por conveniência é o da ética. Isto porque está ligada diretamente à filosofia e ao direito. A ética é o caminho mais fácil para explicar o porque da defesa dos animais. Defender os animais apenas por dó ou amor é muito bom, mas o problema é que nem todas as pessoas tem em sua natureza e formação o amor, pois isto vem de uma série de circunstâncias ligadas a formação da personalidade. Assim cabe a ética convencer a todos sobre a defesa dos animais.

Com relação à ética há várias formas de se abordar a defesa dos animais. Pode-se partir de alguns princípios básicos: “de que os animais possuem os mesmos órgãos dos sentidos dos humanos e, portanto sentem o mesmo, de que os humanos também são animais, de que todos somos terráqueos, de que não é justo escravizar seres vivos iguais a nós apenas porque são de outra espécie (especismo), etc..” Embora havendo todas as respostas na ética, na moral, na filosofia e no direito (direito dos animais), a defesa dos animais é um dos temas que mais encontra barreiras ou impedimentos, porque não dizer inimigos.

O primeiro passo é perceber que a maioria das pessoas não consegue ver a defesa dos animais através da ética ou moral pelo simples fato de não estarem habituadas a estas correntes do pensamento. Muitas nem sabem o que é ética ou moral. Assim populações inteiras ficam sem entender porque se deve (eticamente) defender os animais.

Por que não vão ajudar crianças com fome?

RESPOSTA À PERGUNTA DE ALGUMAS PESSOAS:

“Por que não vão ajudar crianças com fome?”

Questão interessante!

Vamos ver se essa eu consigo responder de modo didático.

1) Quem faz esta pergunta admite que existem dois tipos de pessoas no mundo: as Pessoas Que Ajudam e as Pessoas Que Não Ajudam.

Além disso, admite também que faz parte das Pessoas Que Não Ajudam, afinal, do contrário diria:
“Por que não me ajudam a defender as crianças com fome?”, ou “Venham defender comigo as crianças com fome!”, ou “Não, obrigada, vou defender as crianças com fome”.

Então ela se coloca claramente através de sua escolha de palavras como uma Pessoa Que Não Ajuda.
É curioso a Pessoa Que Não Ajuda, não faz nenhum esforço para ajudar, mas, sim, para tentar dirigir as ações das Pessoas Que Ajudam.

É bastante interessante. Se eu fosse até sua casa organizar sua vida financeira sob a alegação de que eu sei muito mais sobre administração familiar eu estaria interferindo, mas ela se sente no direito de interferir nas ações que uma pessoa resolve tomar para aliviar os problemas que ela encontra ao seu redor.

É uma Pessoa Que Não Ajuda, mas ainda assim quer decidir quem merece ajuda das Pessoas Que Ajudam e o nome disso é “prepotência”.

Aulas divertidas para crianças sobre animais

Escrito por Kate Coen | Traduzido por Marlon Campos

Se não puder levar seus alunos da pré-escola ao zoológico, então traga o zoológico até eles com uma aula divertida sobre os diferentes tipos de animais comumente encontrados em um jardim zoológico. Boa parte das crianças entre três e cinco anos já estarão familiarizadas com a maioria desses animais, mas você pode falar sobre o que eles comem, quais sons fazem, onde vivem e quais são as diferenças e semelhanças entre eles.

Warmup: os sons dos animais
Consiga o maior número possível de imagens de animais encontrados em zoológicos. Peça às crianças para sentarem em círculo e, em seguida, mostre uma foto por vez e pergunte "Que animal é esse?" e "Que som ele faz?". Reproduza o som do animal e peça para as crianças repetirem depois de você. Em seguida, guarde as fotos e inverta o jogo, fazendo um som primeiro e perguntando: "Que animal sou eu?". Se quiser, deixe as crianças fazerem os sons, uma por vez, enquanto as outras tentam adivinhar o animal.

Classificando Imagens: diferentes e o mesmo
Espalhe todas as imagens de animais em uma mesa onde as crianças possam vê-las. Peça às crianças para classificarem os animais de diferentes maneiras: cor, tamanho, com ou sem pelos, comprimento da cauda, a capacidade de subir em árvores, entre outras, de modo que possam ver como cada animal é único ao mesmo tempo em que compartilham as características com os outros. Se tiver fotos de animais da mesma espécie de tamanhos e idades diferentes, peça às crianças para combiná-las.

Leishmaniose

As leishmânias são transmitidas para os humanos a partir da picada de dípteros que se contaminam de outros humanos infectados, como no caso do calazar indiano; ou a partir de vertebrados não-humanos, como o cão, a raposa e o chacal, que funcionam como reservatórios do parasita. O inseto transmissor pertence ao gênero Lutzomyia, nas Américas, e Phlebotomus, no restante do mundo. Durante o repasto sangüíneo a fêmea do flebotomíneo ingere macrófagos parasitados por leishmânias que, no intestino do mosquito, seguem o ciclo necessário para o seu desenvolvimento. Posteriormente ocorre a contaminação de seres humanos e animais pela picada do mosquito infectado.

A Leishmaniose Visceral Canina (LVC) pertence ao complexo das leishmanioses, que se caracterizam por um conjunto de síndromes complexas e multifacetadas causadas por diversas espécies do gênero leishmânia, transmitidas por insetos vetores que afetam tanto seres humanos como animais domésticos e silvestres, e estão distribuídas por todos os continentes, com exceção da Oceania e da Antártida.

O cão é o principal reservatório da leishmaniose visceral no Velho e no Novo Mundo. De forma geral, a enzootia canina tem precedido a ocorrência de casos humanos e a infecção em cães tem sido mais prevalente do que no homem em todo o país.

A transmissão das leishmânias ocorre principalmente a partir da picada do inseto vetor contaminado. A L. infantum pode ser transmitida, ainda, por meio de transfusão sanguínea e acidentes de laboratório. A transmissão congênita ou pelo coito não foi descrita em cães, embora alguns pesquisadores considerem essa possibilidade As leishmânias são transmitidas para os humanos a partir da picada de dípteros que se contaminam de outros humanos infectados, como no caso do calazar indiano; ou a partir de vertebrados não-humanos, como o cão, a raposa e o chacal, que funcionam como reservatórios do parasita. O inseto transmissor pertence ao gênero Lutzomyia, nas Américas, e Phlebotomus, no restante do mundo. Durante o repasto sanguíneo a fêmea do flebotomíneo ingere macrófagos parasitados por leishmânias que, no intestino do mosquito, seguem o ciclo necessário para o seu desenvolvimento. Posteriormente ocorre a contaminação de seres humanos e animais pela picada do mosquito infectado.

11 Dicas de como ensinar direitos animais para crianças

Muitas pessoas nos enviam e-mail parabenizando pelo trabalho no Projeto Ulinha que promove os Direitos Animais para crianças, e pedindo dicas de como aplicarem isso nas suas respectivas cidade ou escola. A partir dessa demanda, resolvemos escrever esse artigo sistematizando algumas dicas que julgamos importantes e nos guiamos na elaboração de nossa prática.

Ensinar direitos animais para crianças não é muito comum. Geralmente as atividades não são baseadas no respeito, mas na preservação para uso. Ou seja, o utilitarismo em detrimento do reconhecimento de direitos inerentes aos animais. Os pais e educadores devem estimular as crianças a valorizarem as boas ações em prol dos animais. É preciso despertar o interesse do engajamento das escolas na Educação HUmanitária e na luta em defesa dos direitos dos animais e preservação do habitat natural deles.

A criança passará, assim, a trazer consigo um compromisso ético, combatendo as atitudes do comportamento violento e opressor na sociedade, criando um mundo melhor para todos.

11 Dicas de como ensinar direitos animais para crianças

1- Saiba a importância da Educação e estude! - Paulo Freire dizia que somos seres culturalmente construídos e inacabados. Então, precisamos desconstruir em nós velhos paradigmas opressores e seguir nessa jornada de contínuo aprendizado. A educação é agente de transformação. Ela transmite valores e muda comportamentos, visando um indivíduo crítico e criativo. É pensando nisso que acreditamos que mudanças são possíveis por meio da Educação, justificando nosso trabalho. E toda essa prática deve ser envolvida de responsabilidade, fundamento e planejamento. É preciso pensar globalmente e agir localmente, senão acabamos em uma superficialidade que em nada transforma a condição atual, reproduzindo idéias errôneas de conceitos antigos. Participe de Fóruns e leia de filósofos do direito animal até escritores de livros infantis.
Clique aqui para obter uma lista dos livros que o Ula recomenda.

Florais de Bach para Animais

Por Martha Follain

“Em todas as coisas, a alegria deve ser estimulada, e não devemos permitir que sejamos oprimidos pela dúvida e pela depressão, mas lembrar que tudo isso não faz parte de nós, pois nossas almas conhecem apenas alegria e felicidade.“ Edward Bach

Os pensamentos e comportamentos de um animal, não podem ser explicados por nossa natureza humana nem traduzidos em termos humanos.

O nariz do cão é muito mais sensível que o nosso.  As ramificações dos nervos olfativos na cavidade nasal de um cão ocupam 160 centímetros quadrados e no homem ocupam 5 centímetros quadrados. As células olfativas, no homem, são em numero de 5 milhões . Em um pastor alemão, por exemplo, são 220 milhões.

No gato, a visão é o mais importante sentido ( alguns cientistas dizem que é a audição ) . Os olhos são grandes em comparação ao tamanho do seu crânio. Os gatos têm capacidade de observação de um campo amplo com um mínimo movimento. Eles estão aptos a enxergar em condições que poderíamos considerar de total escuridão.

Então, o que é ser um cão ou um gato ? Nós não  sabemos.
Devemos estudar, o mais profundamente possível , cada animal e seu comportamento, para estabelecermos as diferenças e as semelhanças entre a nossa espécie e as demais.

Nós pedimos o fim da dívida da SUIPA

Nós pedimos que a dívida da SUIPA seja perdoada e que volte a filantropia para a entidade. A SUIPA a 70 anos presta serviço à cidade do Rio de Janeiro e é uma entidade sem fins lucrativos.

Assine esta petição:

Excelentíssima Presidente da República,

A SUIPA – SOCIEDADE UNIÃO INTERNACIONAL PROTETORA DOS ANIMAIS, associação civil particular, sem fins lucrativos, de utilidade pública municipal e estadual, existente há setenta anos, é a primeira proteção animal mais antiga do Estado do Rio de Janeiro e a segunda mais antiga do Brasil.

Nunca recebeu qualquer verba do exterior e nem das autoridades municipais, estaduais ou federais, sendo mantida desde 1943 pelos cidadãos brasileiros que, até os dias atuais, se tornam associados ao conhecerem a atuação constante da SUIPA, em favor da causa animal e, consequentemente, da saúde pública. Todos os diretores e conselheiros da SUIPA trabalham gratuitamente, conforme seu estatuto.

Inúmeros brasileiros desconhecidos e outros conceituados como: Rachel de Queiroz, Carlos Drummond de Andrade, Nise da Silveira, Otto Lara Rezende, Roberto Marinho, Zezé Macedo, Sérgio Brito e muitos outros, fizeram parte da direção da SUIPA.

Em 1975 a SUIPA obteve a sua filantropia e sua utilidade pública federal, mas em 1995 a SUIPA perdeu ambos os títulos por não se enquadrar na Lei Orgânica que protege apenas pessoas e não os animais não humanos.

Com essas perdas, a SUIPA não teve condições de arcar com os impostos federais, como o INSS PATRONAL, que seria em torno de quarenta mil reais mensais à União e a dívida se acumulou assustadoramente e, em 2013, está acima de dez milhões de reais.

Devido à esta dívida, estão começando as execuções fiscais e a SUIPA corre o risco de perder os poucos bens que ganhou de associados já falecidos, cujos aluguéis são revertidos para o pagamento das despesas mensais.

A SUIPA abriga cerca de tres mil e oitocentos animais, a maioria cães e gatos, mas também tem um santuário, com cavalos idosos e deficientes, abandonados em via pública, porcos que foram atropelados, cabras salvas de cemitérios e encruzilhadas e utilizados em rituais religiosos. Para a manutenção de todos esses animais, a SUIPA tem, a cada mês, que comprar 30 mil quilos de ração, em torno de cem mil reais, além de medicamentos e outras despesas. A folha de pagamento de salários é de trezentos e oitenta mil reais mensais, devido ao número de 150 funcionários contratados, como veterinários, auxiliares de serviços gerais, atendentes, motoristas e outros.

A SUIPA faz controle populacional de cães e gatos há décadas, cadastrando familias moradoras em comunidades para que os animais possam ser esterilizados gratuitamente e vacinados, vermifugados e tratados pela equipe da SUIPA.

A SUIPA socorre e resgata os animais em estado emergencial que são abandonados nas ruas, cumpre os ofícios de Orgaos Públicos como Ministério Publico, Corpo de Bombeiros, Policias Civil e Militar, além de receber, de alguns desses órgãos, animais diversos, inclusive silvestres em estado deplorável de saúde.

A SUIPA não poderá fechar seus portões depois de todos esses anos, salvando VIDAS e colaborando com a população e com o Poder Público.

Assinando este Abaixo Assinado estamos pedimos à Excelentíssima Presidente da República que perdoe a dívida da SUIPA com o Governo Federal e restabeleça a Utilidade Pública Federal e a Filantropia da SUIPA, para que ela possa continuar seus trabalho pelos animais não humanos e humanos de nosso Brasil.

Os signatários

Para assinar a petição: https://secure.avaaz.org/po/petition/SUIPA_VIVA/

Benefícios da castração

Artigos  e Vídeos com Depoimentos de Veterinários

Castração: como ela pode proporcionar saúde e bem estar para cães e gatos

Dra. Gisela Mechlin Wajsfeld, Médica Veterinária

Sem dúvida que a castração, à primeira vista, assusta todos os proprietários de cães e gatos … “o quê? castrar ? tadinho!”.
Atualmente sabe-se que ocorre o contrário.
O animal sofre menos se for castrado, principalmente se a cirurgia for precoce, até os 6 meses de idade (ou seja, antes do primeiro cio das fêmeas e antes da completo desenvolvimento dos hormônios sexuais dos machos).
Por quê?
Há inúmeros trabalhos científicos veterinários que comprovam que machos e fêmeas, cães e gatos, castrados possuem uma maior expectativa de vida.

Tal fato deve-se a vários motivos.
A fêmea castrada antes do primeiro cio tem quase nula a chance de desenvolver tumores de mama quando tiver mais idade.

O tumor de mama é o câncer mais comum, principalmente em cadelas idosas.
Além disso, evita totalmente a possibilidade de tumores de ovário e útero, sem falar na piometra, infecção uterina que comumente afeta fêmeas em qualquer idade.
Sabe-se que a castração realizada até o quarto cio, diminui as chances da cadela apresentar os tumores de mama … por isso, quanto mais cedo melhor, porque o efeito da cirurgia, para este objetivo, diminui com a ação dos hormônios liberados nos cios.
Como se a prevenção de câncer não bastasse, temos também suprimidos todos aqueles sintomas de cio, como o sangramento, o inchaço da vulva, a gestação psicológica e a atração de machos pelas cachorras, além dos miados constantes, as tentativas de fuga e a inquietação típicos das gatas.
É comum as quedas de gatos, machos e fêmeas, dos apartamentos serem motivadas pelo cio (e claro, pela ausência de redes de proteção).
Para complementar ainda, a castração de fêmeas ajuda a prevenir o diabetes e não causa obesidade, que depende unicamente da alimentação e da atividade física do animal.
A castração na fêmea (OSH – ovário-salpingo-histerectomia) constitui-se na retirada dos 2 ovários e do útero, que é composto por 2 cornos uterinos e um colo, assumindo o formato de um Y.
No macho são retirados os dois testículos (orquiectomia total), permanecendo a bolsa testicular.
Em ambos os sexos a cirurgia, principalmente se realizada em animais jovens, é extremamente segura e não deixa o animal traumatizado.
No macho as vantagens também são inúmeras.

Guia de 1os Socorros para Cães e Gatos

O intuito deste guia é orientar o proprietário como agir em situações em que o socorro imediato ao animal se faz necessário. E disso, muitas vezes, irá depender a vida do animal até que o socorro veterinário seja possível. Aprenda como agir em casos como atropelamentos, convulsões, envenenamentos, picada de cobras, etc..

MEDIDAS GERAIS: ANALISAR SE O CASO É DE EMERGÊNCIA OU URGÊNCIA.

Emergência: Requer medidas imediatas das quais a vida do animal irá depender .
Exemplo: hemorragias, parada cardíaca e/ou respiratória, atropelamentos, envenenamentos, choques elétricos, afogamento, inalação de fumaça nos incêndios,etc..

Urgência: São casos de menor gravidade, mas que devem ser socorridos a tempo para que o animal não tenha complicações mais graves.
Exemplo: vômitos ou diarréias intensos, piometra (infecção uterina nas cadelas), ausência de urina por mais de 24hs, convulsões e outros.

SEJA QUAL FOR O CASO, PROCURAR MANTER A CALMA.
Em desespero, o proprietário pode cometer erros ou não conseguir colocar em prática uma medida simples, mas importante.

SEMPRE ANALISAR SE O ANIMAL ENTROU EM ESTADO DE CHOQUE.
Este estado significa um deficiente suprimento de sangue para os órgãos vitais e pode ser fatal.

Guia de 1os Socorros para Aves

Aves (Pombos e Rolinhas)

Alimentação
Tory e Quirela de Milho:  Quirera de milho, também chamada de CANJIQUINHA (aquele milho picadinho bem pequeno) + Tory (ração para canários).
Casca de Ovos: Sempre que usar ovos, guarde as cascas, coloque-as em um tabuleiro (nem precisa lavar as cascas) e leve ao forno até ficarem bem sequinhas. Depois, coloque as cascas num pilão (aqueles de fazer caipirinha, ou de amassar alho) e moa bem moidinha.  Fica como se fosse uma farinha. Dê uma vez por semana.
Folha de Alface: Coloque alguns pedacinhos por cima da terra, mas elas mais brincam do que comem.
Cream Cracker: Mudar um pouco o cardápio, pegue um pedacinho de biscoito, esfarele e dê para elas. Uma vez no mês.  É um dia de festa para elas, pois gostam muito. Mas... não é saudável.

Forragem da Gaiola
Nunca Use Jornais em Nenhuma Gaiola:  Sempre papel de escritório (xerox, folhas de apostilas, folhas de cadernos, etc... etc..), pois o jornal é extremamente nocivo ao aparelho respiratório de qualquer SER VIVO. O problema é a tinta (que contem CHUMBO) e o pó que sai do jornal.  Coloque uma vasilha com terra: a vasilha deve ser trocada 1 vez na semana, no mínimo. Coloque também alguns verdinhos.

Ao Encontrar Uma Ave

Sempre que encontrar uma ave, verifique:

A História de Uma Raposinha - A Verdadeira História por Trás de um Casaco de Peles

Olá, meu nome é Vida, sou uma raposa vermelha e tenho 5 anos de idade. Hoje vou contar a história da minha mamãe, que hoje, infelizmente, não está mais aqui entre nós.

Minha mamãe era uma linda raposa, jovem, alegre e cheia de vitalidade. Ela tinha um pêlo extremamente brilhante e sedoso. Ela era companheira, cuidadosa, uma mãe exemplar. Compartilhávamos um amor incondicional. Ela nunca me deixava sozinha. Estava sempre ao meu lado, onde quer que eu fosse. Mamãe era perfeita. Nós éramos muito felizes e unidas! Mas, drasticamente, nossas vidas mudaram!

Era uma manhã de inverno, eu ainda era um bebê. Eu e minha mamãe brincávamos com a neve que caia. Sempre fazíamos isso, nos divertíamos muito. Resolvemos correr entre as árvores, eu estava na frente e mamãe vinha logo atrás. De repente, escutei um estalo muito alto e um grito de dor. Olhei para trás e vi minha mamãe caída, com sua patinha presa entre enormes garras de ferro. Pela primeira vez em minha vida eu vi sangue. Pela primeira vez eu vi a expressão da dor estampada nos olhos brilhantes de mamãe. Entrei em pânico, o desespero tomou conta de mim. Eu precisava fazer algo, precisava salvar mamãe. Ela gritava de dor, lágrimas escorriam pelos seus olhos, o sofrimento era grande. Ela tentava se soltar, mas não conseguia. Quanto mais ela se esforçava para se libertar, maior ficava o ferimento de sua pata.

Mesmo ferida mamãe se preocupava comigo. Mesmo ferida mamãe dizia: Vida mamãe ama você, mamãe não irá lhe abandonar, mas fuja, salve sua vida minha querida filha!

Corri, por entre a mata coberta de neve, a procura de ajuda, mas infelizmente não encontrei nada. Voltei para perto de mamãe. Não iria jamais abandoná-la. Ela nunca me deixou sozinha, ela me deu a vida e eu devia muito a ela. Mas, quando cheguei bem próxima a ela, vi um homem grande com uma bota preta pisando em seu pescoço. Mamãe tentava respirar, tentava lutar para sobreviver, mas não conseguia. Ela estava muito fraca, havia perdido muito sangue. Foi então que o homem ergueu um pedaço de pau e bateu com toda a sua força na cabeça da mamãe. Ela caiu, e em seu último suspiro de vida, me pediu, mais uma vez, que corresse. Seus lindos olhos se fecharam eternamente.

Tráfico de animais silvestres: Um flagelo brasileiro

Das várias formas de impunidade criminal que assolam o Brasil, uma das mais insidiosas e persistentes é a que diz respeito à caça ilegal e ao tráfico de animais silvestres. A cada ano, em nosso país, um número absurdo de animais é pilhado do meio ambiente natural para ser vendido como mercadoria.

Através de uma rede nacional capilar de caçadores e de traficantes, literalmente milhões de pássaros, sobretudo araras, papagaios e periquitos, cobras, borboletas, camaleões, jabutis, onças, macacos, peixes e tartarugas são aprisionados e vendidos tanto no mercado nacional quanto no estrangeiro. A quase totalidade dessas criaturas silvestres não sobrevivem aos processos de captura e de armazenamento para o transporte. Cerca de 90% delas morre antes de ser comercializada, por ferimentos, por sufocação, ou simplesmente por falta de comida e de água.

Testemunhei pessoalmente, há poucos anos, uma terrível situação desse tipo num posto de gasolina à beira da BR116, nas proximidades da cidade de Jequié, Bahia, durante uma viagem de carro entre Salvador e São Paulo. Após um café, dando uns passos para esticar as pernas, deparo-me com uma enorme pilha de gaiolões empilhados junto à parede lateral do posto. Aproximei-me e o que vi foi uma cena de puro horror: dentro das gaiolas, centenas, talvez milhares de pequenos pássaros, canários da terra, cardeais, galos da campina, azulões, pássaros-pretos, trinca-ferros, periquitos, simplesmente estrebuchavam. A maior parte deles já estava morta, amontoada no chão das gaiolas. Muitos, em desespero, ainda vivos, tinham prendido uma das pernas por entre os arames das gaiolas e, sem conseguir se soltar, se debatiam até morrerem pendurados ou terem suas pernas arrancadas.

Fui falar com o caixa do posto de gasolina, e ele me explicou que aquela era a carga de pássaros apenas daquela semana, destinada às cidades do sul do país. Porém, dessa vez, o caminhão que viria buscar as gaiolas não aparecera. Os caçadores então foram embora, abandonando a carga. “Por que vocês não chamam a polícia ambiental de Jequié ou de Vitória da Conquista? Ela vem aqui buscar os passarinhos”, perguntei. Foi o que bastou para o rapaz do caixa mudar de semblante. Ele me chamou para mais perto, com ar preocupado, e disse em voz baixa: “Meu amigo, não pronuncie essa palavra, “polícia”, aqui dentro. Não se sabe quem vai ouvir. Você vai seguir viagem pela estrada, e não sabe o que poderá lhe acontecer quando dobrar a primeira curva...”

Isso é o nosso país, o nosso Brasil profundo, acostumado, desde os tempos de Cabral e do saque do pau-brasil, a dilapidar os recursos naturais sem nenhum senso de responsabilidade ambiental.

Humor - Coceira...


Como descobrir se o cão está doente e precisa de ajuda veterinária?!

Seu cachorro está passando mal?! Parou de comer?! Está deitado mais tempo que o comum?! Antes de levá-lo ao veterinário, veja o que você pode fazer para diagnosticar o seu cão:

01. Com paciência e carinho, verifique as orelhas. Olhe em toda a sua extensão externa e interna e tente localizar algum tipo de mancha e/ou falha. Se encontrar, pode ser sinal de sarna e/ou ácaro.

02. Verifique também se existe algum cheiro forte dentro do ouvido e se também consta alguma secreção saindo de seu interior. Se encontrar, pode indicar inflamação e/ou otite.

03. Agora comece a examinar o olhos e veja se encontra algum tipo de secreção amarelada. Verifique também se abaixo das pálpebras está com coloração vermelha, caso esteja amarelada, é sinal de anemia.

04. Ao examinar a parte interna da boca do seu cachorro, levante seus lábios e veja se as gengivas estão com uma coloração vermelha. Se estiver pálida e/ou amarelada, também indicará uma possível anemia.

05. Ao verificar a língua do seu animal, ela deve ter obrigatoriamente uma cor rósea. Se apresentar qualquer outra tonalidade, principalmente uma língua meio azulada (com exceção do Chow Chow), leve-o imediatamente a um veterinário.

A inteligência dos porcos

O respeito e a compaixão são importantes por uma questão ética e de sentimentos. Porém cada vez mais vamos percebendo, através de estudos ou pela simples convivência, que os animais não humanos são mais inteligentes do que costumávamos pensar. Para exemplificar, segue uma lista de comportamentos peculiares dos porcos:

- Porcos utilizam ferramentas
Um estudo realizado pelo professor Donald Broom na Universidade de Cambridge constatou que porcos conseguem utilizar espelhos para localizar alimentos que não estão diretamente visíveis. Apenas algumas outras espécies, como golfinhos, elefantes e chimpanzés, passaram no “teste do espelho”, entendendo que o que se vê são reflexos, e não imagens de uma janela.

- Porcos se divertem com videogame
Enquanto estava na Universidade Estadual da Pensilvânia, o Dr. Stanley Curtis descobriu que porcos são capazes de jogar jogos de vídeo controlados por joystick e são “capazes de representação abstrata”. Ele dizia que “há muito mais acontecendo com os porcos em termos de pensamento e observação do que podíamos imaginar.”

- Porcos identificam objetos
Dr. Curtis ensinou porcos a sentar e pular, além de buscarem objetos como bolas, halteres e frisbees. Mesmo após anos, os porcos ainda eram capazes de identificar tais objetos.